Transferindo arquivos M4R do Windows para o iPhone

Tendo recentemente voltado a utilizar um iPhone, após quase 3 anos de convivência com um Samsung Galaxy SIII rodando Android, confesso que me apeguei à alguns ringtones alarmes que usei durante este tempo todo: Foram eles, afinal de contas, que me acompanharam, lembrando-me de alarmes e me ajudando a acordar.

Dado que o Android aceita que arquivos MP3 sejam diretamente adicionados ao aparelho numa simples operação de drag-and-drop, e que estes podem ser usados como notificação e ringtone automaticamente depois disso — e que o iOS aceita apenas seu formato proprietário, M4R —, a primeira coisa que fiz foi converter os MP3 em M4R. De posse dos arquivos resultantes, fiquei me perguntando como fazer para carregá-los para o iPhone usando a lei do menor esforço.

Foi aí que descobri que podia contar com a ajuda do Walter.

Walter White

Ok. Não deste Walter.

Na verdade, como odeio usar o iTunes no Windows — sempre o achei um programa desnecessariamente pesado e de transferência lenta demais —, acabei buscando uma alternativa: Um programa chamado Waltr.

O Waltr é muito mais do que eu precisava: Trata-se de um conversor de mídia que roda nas plataformas Mac e Windows, e que transfere conteúdo para seu dispositivo iOS, servindo-o diretamente em suas bibliotecas de áudio, vídeo ou reprodutor de mídia padrão. E o que é melhor: Não preciso ter feito jailbreak e nem ter o iTunes instalado.

No meu caso específico, em que eu já tinha disponíveis os arquivos M4R desejados, a operação foi extremamente simples. Localizei a pasta onde estavam os arquivos e abri o Waltr. Em seguida, precisei apenas arrastar o que queria para a interface — super simples — do programa.

waltr_1

Automaticamente será iniciada a atividade de preparação para upload e, em seguida, o upload em si. Se tudo correr bem, o Waltr indicará que os arquivos foram transferidos com sucesso, com um pequeno detalhe: O ícone que ele exibirá indicará o local do iPhone para onde a transferência foi realizada. No meu caso, os arquivos M4R foram parar, acertadamente, nos ringtones.

Sucesso!

sons-waltrCom os ringtones devidamente inseridos no iPhone, basta associá-los a seus alarmes e aplicativos, como seria feito com qualquer ringtone padrão, e pronto.

Como eu disse, para esta necessidade específica, usar o Waltr foi como ter um canhão à disposição para matar formigas: O programa suporta o envio de vídeo nos formatos MKV, AVI, MOV, MP4, M4V, 3GP e WMV, e também o de áudio, suportando MP3, FLAC, APE, ALAC, AAC, M4B, AIFF, WAV, WMA, CUE, OGG, OGA, WV, TTA e DFF.

Um último ponto: Sendo versátil como pude comprovar, é de se esperar que o Waltr não seja gratuito. Suas versões para Windows e Mac têm preços que variam entre USD 30 e USD 50, e, no momento em que este texto foi criado, há um Winter Special que reduziu os valores pela metade. Mas, nada tema: Você pode testar o programa gratuitamente, sem restriçõespor 14 dias, o que, pelo menos para a transferência de arquivos M4R, deve ser suficiente.

O que está escondido em um cartão de embarque?

Muita coisa.

“Besides his name, frequent flyer number and other [personally identifiable information], I was able to get his record locator (a.k.a. “record key” for the Lufthansa flight he was taking that day,” Cory said. “I then proceeded to Lufthansa’s website and using his last name (which was encoded in the barcode) and the record locator was able to get access to his entire account. Not only could I see this one flight, but I could see ANY future flights that were booked to his frequent flyer number from the Star Alliance.”

boardingpass

Em um texto muito interessante de seu blog Krebs on Security, Brian Krebs destrincha o que acontece quando alguém, movido por simples curiosidade, resolve se perguntar que tipo de informações estão escondidas em um cartão de embarque de companhia aérea, encontra sites especializados na leitura destes códigos, e revela informações interessantes — e particulares — sobre o passageiro.

Da próxima vez em que eu tiver voado, triturarei o meu cartão ao término da viagem.

O aparelho de barbear do futuro

O Skarp Laser Razor promete ser o que existe de mais avançado em termos de tecnologia para barbear. O aparelho,  que lembra o conhecido formato que têm seus pares equipados com lâminas convencionais, usa um laser compacto para queimar a barba ao invés de cortá-la, o que,  segundo seus idealizadores, reduzirá tanto a irritação quanto o desperdício causados pelos aparelhos de barba comuns.

razor

E para quem acha que se barbear com um aparelho a laser parece bobagem, a campanha do Kickstarter que solicitava contribuições para arrecadar USD 160.000 já teve a adesão,  até o momento,  de quase 17.000 interessados que doaram mais de USD 3,3 milhões!!

Confesso que aparelhos de barbear não são exatamente o tipo de utensílio para o qual eu imaginava ver algo muito revolucionário acontecer,  e foi por isso mesmo que essa novidade me chamou a atenção. Quem sabe a coisa vem parar por aqui, não é?

Uma imagem vale mais…

do que mil palavras — é o que um dos ditados mais famosos que eu conheço diz.

E o tweet abaixo, do Twitter Data, infelizmente, marcou a partida de hoje pela semi-final da Copa do Mundo FIFA 2014, entre Brasil e Alemanha, nas páginas da história mundial: Acontece que a vexatória partida, cujo placar final foi de 7 x 1 para nossos adversários europeus, tornou-se o evento esportivo único mais discutido de todos os tempos na rede social.

Em uma nota paralea: #étois#sqn.