em Etc

Quantas pessoas no mundo todo já voaram de avião alguma vez na vida?

Ah, voar.

A primeira vez em que pisei num avião foi já crescido, em julho de 1997, quando peguei um vôo rumo a Salvador, na Bahia. Passados todos estes anos, confesso que nunca deixei de adorar a sensação de estar no ar, eu não vou mentir.

ICAO (International Civil Aviation Organization), agência das Nações Unidas especializada em aviação, reportava, em notícia de dezembro de 2015, o crescimento do tráfego aéreo em termos de número de passageiros transportados em vôos agendados ou comerciais, chegando a 3,5 bilhões de passageiros transportados, um aumento de 6,4% em relação a 2014. Um dado interessante: A América do Sul apresentou o segundo maior crescimento percentual, em relação às regiões de todo o mundo, com aumento de 7,9%, como mostra o gráfico a seguir:

Crescimento % do tráfego de passageiros em vôos comerciais ou agendados, em 2015 (fonte: ICAO)

A questão é que ainda que o número de 3,5 bilhões de passageiros transportados durante 2015 seja praticamente metade dos aproximadamente 7,4 bilhões de habitantes do mundo enquanto escrevo este texto, não dá pra assumir que 1 em cada 2 seres humanos já pisou num avião, mesmo que em 2015 existissem cerca de 1400 companhias aéreas e 4.130 aeroportos.

Dado que não existe nenhuma base de dados oficial que registre o número de passageiros diferentes que já voaram alguma vez na vida, e que uma pessoa, se pegar mais de um vôo por dia — como é comum em alguns casos e algumas profissões, entra para esta estatística tantas vezes quantos forem suas viagens de avião, é muito complicado responder à pergunta que fiz no título deste texto.

Mas afinal… quantas pessoas no mundo todo já voaram de avião alguma vez na vida?

Estima-se que apenas 5% da população mundial.

Fazendo as devidas contas e levando em conta os 7,4 bilhões de habitantes, isso é aproximadamente 370 milhões de pessoas. Para efeitos de comparação, considere que a população do Brasil é de aproximadamente 210 milhões de habitantes, enquanto escrevo.

É pouco, não é mesmo? Vejam: Poder voar é tão legal que nunca parei pra pensar nisso. E quanto penso, vejo que, ao menos sob certa perspectiva, a chance de voar em um avião, guardadas as devidas proporções, é como, para muita gente, a chance de ir ao cinema pela primeira vez, ou a chance de conhecer o mar.

Já vista sob outra perspectiva, a razão pela qual as pessoas não aproveitam o que chamei de chance de voar se resume em 3 palavras: motivomeio oportunidade.

Muita gente em todo o mundo não tem razão nenhuma para embarcar em um avião e voar pra qualquer lugar que seja. Um outro motivo para que as pessoas não voem é que há muita gente, realmente, sem condição financeira para fazer isso — e, falando francamente, a julgar pelo preço das passagens aéreas no Brasil ultimamente, cada vez menos gente tem condição de voar.

Já outras pessoas estão em regiões mal servidas em termos de aviação comercial. Se considerarmos a África, por exemplo, um continente formado por 54 países, com cerca de 1,1 bilhão de habitantes, veremos que a aviação comercial do continente é um mercado inexplorado: As 230 companhias aéreas presentes no espaço aéreo africano operam apenas 5,5% da frota mundial de aeronaves comerciais e de carga. Além disso, muitas regiões africanas são carentes em relação a serviços e instalações consideradas vitais para vôos seguros, como radares, cobertura de telecomunicações e até mesmo pistas iluminadas e instrumentação. Assim, embora vôos diários aconteçam na África todos os dias, são usadas aeronaves pequenas, que nem sequer entram na estatística básica da ICAO sobre o número de passageiros transportados anualmente, que mencionei antes.

No final das contas, a questão dos 5% é, na melhor das hipóteses, uma aproximação. Assim como expus estes dados para seguir pela linha de motivos, meios e oportunidades, existem outras inúmeras variáveis que poderiam ser levadas em consideração, inclusive em fatias de mercado específicas. Assim, embora a resposta esteja aí, é como se ela, também, não estivesse.

Escreva um comentário

Comentário