em Games

2048

2048Devo confessar que eu tenho uma queda enorme por jogos simples. Meu mais novo ídolo, portanto, é um camarada chamado Gabriele Cirulli, que criou o 2048, um quebra-cabeças tão simples e elegante que vicia desde o primeiro momento em que começamos a jogá-lo. As regras são simples: Com as setas do seu teclado você vai movimentar as peças — todas elas ao mesmo tempo — para cima, para baixo, para a esquerda ou para a direita, sendo que todo movimento fará com que as peças batam em uma das “paredes” da caixa onde elas estão.

Uma vez que duas peças de valores iguais se toquem, elas serão combinadas em uma única peça, com o valor anterior dobrado. Assim, duas peças se tornam 4, duas peças se tornam e assim por diante, até que você consiga atingir o objetivo do jogo que, como é fácil de se imaginar, é chegar   peça 2048 (equivalente   décima primeira potência da base 2, para os nerds de carteirinha que já fizeram, é claro, a associação).

Parece simples   primeira vista. Mas não é. Se o tabuleiro se encher e você ficar sem movimentos, é fim de jogo. A sensação é de que “na próxima, eu vou conseguir” e você não para mais de jogar. Sucedendo o finado Flappy Birds — um dos favoritos do Gregório —, 2048 pode até ser chamado de “o mais novo melhor jogo de todos os tempos da última semana, mas considero-o bem menos frustrante do que seu antecessor. Aliás, a exemplo do jogo, 2048 também já possui vários clones para iOS e Android (o meu favorito é este aqui, que, como diz o autor, é um mero container para a página do jogo original, sem propaganda, sem compras dentro do aplicativo. Apenas diversão).

Em tempo: Threes, uma das fontes de inspiração de Gabriele para criar o 2048, também é bastante divertido e tem os mesmos conceitos. Vale conferir.

Escreva um comentário

Comentário

  1. O mais interessante é que a dificuldade do jogo aumenta exponencialmente, então essa sensação de que “eu cheguei tão perto, na próxima eu consigo” é uma ilusão, uma vez que quando se atinge 1024 você chegou apenas na metade do jogo — e a outra metade precisa ser alcançada com ainda menos espaço.