in Software

WriteMonkey e Markdown

Recentemente eu comecei a usar o WriteMonkey para escrever alguns textos. O aumento de produtividade que eu tive ao usar esse pequeno — e gratuito — editor de texto foi realmente bem grande, isso porquê ele simplesmente remove tudo da tela, e não deixa que eu me distraia.

Por “remover tudo“, entenda exatamente isso: Ao acionar o programa, este simplesmente aparece em tela cheia, com um fundo escuro, e um cursor claro piscando, opções que podem ser customizadas à vontade posteriormente.

Não há menus, não há barra de títulos, não há barras de  ferramentas, e, se você estiver em plena atividade de digitação, não há nem mesmo a velha e conhecida barra de status. Isso acaba por transformar o WriteMonkey em um editor de texto puro, tal como seria o próprio Bloco de Notas do Windows, por exemplo… Mas tudo isso tem o propósito, como eu já disse, de permitir que você se foque naquilo que se propôs a fazer, ou seja, escrever.

Você pode se perguntar: Se o WriteMonkey é similar ao Bloco de Notas, então porquê eu simplesmente não uso esse último, e pronto? Bem… meu principal argumento na verdade se divide em dois pontos:

  1. O WriteMonkey suporta linguagens de marcação de texto puro, mais precisamente Markdown (que eu particularmente prefiro e abordarei no texto), e Textile. A vantagem de tal suporte é que eu posso inserir formatação de texto no meio do que estou escrevendo, usando caracteres comuns como um par de underscores (_) para itálico, ou um par duplo de asteriscos (*) para negrito. Você pode posteriormente exportar o resultado digitado para programas como o Word, ou então salvar o texto formatado em XHTML, ou HTML.
  2. O programa é charmoso, portable e, de quebra, pode ser configurado para acrescentar à digitação sons de máquina de escrever, ou de um ZX Spectrum. Para o nostálgico, esse último ponto, aliás, é quase um must.

E como integrar o WriteMonkey com o WordPress?

Isto dito, surge uma questão deveras interessante: Como fazer para que os textos digitados no WriteMonkey migrem para o WordPress da maneira mais seamless possível?

Bem, uma das respostas para isso é um plugin, o Markdown on Save, que simplesmente integra ao editor de posts uma pequena caixa de texto a ser marcada pelo usuário caso o texto por ele digitado contenha formatação Markdown.

Uma vez marcada a opção, você pode salvar seus textos colados do WriteMonkey no WordPress e visualizá-los. Posteriormente, pode inserir imagens normalmente, pois a conversão de Markdown para HTML, apesar de não exibida no editor, será realizada instantaneamente pelo plugin e armazenada separadamente no banco de dados, de maneira que se você resolver remover o plugin, terá toda a versão normal do texto de volta.

Há opções ainda mais avançadas, é verdade. Para os verdadeiramente aficionados por Markdown, há o plugin Markdown Quicktags, que substitui o editor HTML padrão da ferramenta por um editor com as tags próprias da linguagem de marcação, permitindo renderizar o texto em HTML a qualquer momento, e vice-versa.

Uma última nota, como bônus

Percebi que a sintaxe da linguagem Markdown existente no menu de contexto do WriteMonkey está, na verdade, equivocada, pois induz quem quer negritar uma palavra a fazê-lo colocando-a entre dois asteriscos, um de cada lado — o que, na verdade, é a sintaxe do itálico.

Esta bola, aliás, já foi recentemente levantada no fórum do programa, e a resposta do desenvolvedor foi a seguinte:

Yes, the current markup for bold and italic differs a little from Markdown standard. This is because those two (and underline which is not supported by Markdown) were there even before I implemented complete rules. Didn’t want to change that…

Admito. É uma falha perdoável, e eu posso viver com isso.

  • http://dimas_jor_br Dimas

    Valeu a dica!