em Tecnologia

Body Browser: Uma viagem pelo corpo humano

Estão praticamente contados os dias em que estudantes de medicina precisavam se ver  s voltas com enormes livros para estudar e compreender melhor diversos detalhes do corpo humano. Isso, pelo menos, se depender do Google, que, semana passada, emplacou no ar mais uma de suas inovações, desta vez chamada de Body Browser.

Com a ferramenta, que a princípio só roda em navegadores que suportam a tecnologia WebGL para visualização de objetos e modelos em três dimensões — como a última versão beta do Google Chrome, por exemplo —, qualquer pessoa — seja ela estudante ou mera curiosa — será capaz de explorar detalhes de nossa anatomia, através de diversas perspectivas e cortes, que permitem a inclusão ou exclusão instantânea de camadas de detalhes.

Digo “será capaz” porquê pode-se perceber pela utilização da ferramenta — e também graças ao vídeo acima — que, no momento, apesar de ser possível rotacionar o modelo feminino e aplicar-lhe diversos níveis de zoom, quase tudo o que pode-se fazer é selecionar partes específicas do corpo para sabermos seus nomes.

Com o tempo, no entanto, caso tenha seu desenvolvimento continuado, entendo que a ferramenta alcançará o status de um Google Earth, provavelmente com explicações detalhadas sobre os órgãos, sistemas e seus componentes, e também com traduções para todas estas informações fornecidas em vários idiomas. A adição de um modelo masculino — já anunciada para breve pela empresa é outro dos detalhes que, com certeza, tornarão a experiência de qualquer visitante muito mais rica e dinâmica.

Lembro-me dos tempos em que era mais novo e usava um programa chamado Bodyworks para aprender detalhes sobre nosso corpo — como mera curiosidade, é claro. Com um filho em idade pré-escolar que me pergunta muitas coisas a respeito do assunto, descobri que não há — até onde eu saiba, ao menos —, versões deste programa disponíveis para os sistemas operacionais mais modernos, o que é uma pena. Felizmente para mim, o Body Browser pode, e deverá ser, ao que tudo indica, um ótimo substituto.

Escreva um comentário

Comentário