É. Eu acho que sou mesmo um ‘couch potato’

Brasileiro passa mais de uma hora em frente à TV por dia, mostra pesquisa

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta quarta-feira (31/3), revela que 57,2% da população passa pelo menos uma hora por dia em frente à televisão.

(…)

O levantamento também pesquisou a prática de atividades consideradas sedentárias, com as quais o brasileiro também gasta seu tempo livre, como assistir à televisão, jogar video game e usar o computador. A conclusão é de que 42,9% dos brasileiros passam mais de três horas em frente à TV e 29,6%, mais de três horas nos outros aparelhos, por dia.

O pior é constatar que, quando não estou em frente à TV, normalmente estou nos outros aparelhos. Definitivamente eu preciso me exercitar mais. Aliás, vou ver se penso nisso depois de colocar em dia os últimos episódios de House e Lost.

The following takes place between 5 p.m. and 6 p.m.: ’24′ shuts down

Não pude deixar de parafrasear o título da notícia dada pelo Los Angeles Times, por acreditar que ele traz certo humor a um fato já amplamente divulgado pela mídia, seja ela especializada ou não.

No entanto, é um trecho da mesma notícia, divulgado pelo The Hollywood Reporter, que eu usarei para falar a respeito do fim dos tempos para Jack Bauer e sua turma:

Tick, tick, tick… and done.

After eight seasons, Fox’s “24” is coming to an end.

The groundbreaking action drama will air its final real-time episode in May, the victim of a confluence of circumstances: a swelling budget, declining ratings and creative fatigue.

É verdade que um dos produtores executivos da série, em entrevista também ao THR, deixa no ar que um longa-metragem estrelado por Kiefer Sutherland pode mesmo chegar aos cinemas num futuro próximo, e que se algum dos roteiristas tiver uma ideia brilhante, ela pode acabar se transformando em um spin-off da série, mas o fato é que 24 horas é mais um dos meus seriados favoritos que chega ao fim.

Ocorre, no entanto, que os motivos para que a série acabe — que, no fim, resumem-se à visão dos executivos da TV que, é claro, estão interessados em dinheiro — são os mesmos que levaram ou levarão ao fim todos os seriados de televisão do mundo, quer eles sejam os meus favoritos, ou não.

Vejamos: Assim como em 24 horas, os altos salários pagos ao elenco depois de várias temporadas também tiraram do ar Friends, mesmo sendo esta, talvez, a comédia de maior sucesso de todos os tempos.

No caso de 24 horas, também se soma ao fator salário a questão da licença paga pela Fox à 20th Television para exibição de cada episódio, um valor que beira os US$ 5 milhões, além da queda vertiginosa de audiência da última temporada — o que nos leva ao último fator que normalmente causa o cancelamento de qualquer série.

Estou falando da crise criativa dos roteiristas. Não sei se este é o caso, por exemplo, de outra de minhas séries favoritas, Lost, mas penso que sim, pelo menos em parte, por esta se tratar de uma série com grandes e constantes reviravoltas no enredo, que acabam se tornando insustentáveis se passa muito tempo sem que existam explicações plausíveis para os acontecimentos.

Tal como Lost, 24 horas sai de cena em maio com o benefício de ainda estar em alta, e, a meu ver, ao menos neste caso, sem que se culpem necessariamente estes profissionais por quererem apelar aos mais inúmeros tipos de artimanhas para prender o telespectador — afinal, de quantas outras maneiras ainda poderiam ocorrer ataques terroristas aos Estados Unidos?

Com Lost e 24 horas próximos de seus momentos derradeiros, das minhas séries favoritas ainda no ar só sobra mesmo House, que eu, sinceramente, espero que ainda dure um tempo considerável antes de também ser afetada pelos sintomas citados neste texto. É verdade que V, FlashForward e Nurse Jackie tem me conquistado, mas é difícil dar adeus a velhos favoritos.

Noteliner, um pequeno notável

É impressionante o quanto a Internet pode nos trazer surpresas. Para mim, a mais recente é um pequeno aplicativo chamado Noteliner.

Por incrível que pareça, seu criador, Sam Hawksworth, desenvolveu a ferramenta há cerca de 15 anos atrás, como forma de manter organizadas todas as tarefas e pendências que ele tinha no trabalho. Ao longo de todo este tempo, ele procurou por alternativas ao seu próprio trabalho, sempre achando que todas elas eram ou complexas demais, ou simples demais. Assim, ele a atualizou de tempos em tempos, criando o que considero agora ser, sem ter medo de exagerar, exatamente o que eu procurei por toda a minha vida enquanto fazia listas de pendências manualmente.

Sei que acabo de escrever sobre uma ferramenta similar, mas, coincidência ou não, Sam só tornou seu trabalho público no começo deste mês, exatamente um dia depois de eu ter eleito o Hottnotes como mecanismo oficial para controle das minhas pendências. Depois de olhar o trabalho dele, fui obrigado a reconhecer que havia surgido, digamos assim, um novo vencedor nesta disputa.

As funcionalidades do Noteliner são muito simples. Foi o conjunto de todas elas que me fez declarar este novo vencedor:

Noteliner lets you create a hierarchy of notes to track and structure your work.  You can also give these notes due dates, indicate which ones need attention, assign people, prioritize, or mark them complete.  Different views allow you to see all the notes assigned to a particular person, those that are over due, need attention or are dated.

Criar uma hierarquia para organizar suas ideias, pensamentos ou tarefas é simples: Tudo o que se precisa fazer é digitar um item, e apertar ENTER. Um bullet aparecerá ao lado do texto, enquanto o cursor avança para a próxima linha. Cada vez em que se pressionar TAB, serão criados sub-níveis com novos itens de texto, ao lado dos quais também estarão presentes os bullets.

Clicar uma vez sobre qualquer um destes bulletes fará com que o item correspondente se torne azul, indicando que se deve prestar atenção especial o mesmo. Clicar uma segunda vez fará com que o item seja marcado como concluído, tendo sua fonte alterada para cinza. Ao acumular uma quantidade razoável de itens concluídos, basta utilizar a opção prune, para que todos eles sejam eliminados da lista.

Em resumo, o que se tem em mãos ao fazer o download do Noteliner é uma ferramenta portátil — de apenas 416kb —, capaz não apenas de organizar suas tarefas pendentes, mas também ideias, pensamentos e atividades. Ela também é extremamente útil como um excelente meio para fazer a gestão de pequenos projetos, uma vez que prazos e responsáveis podem ser facilmente atribuídos às tarefas listadas — e, de quebra, as tarefas atrasadas serão coloridas em vermelho.

O único problema que encontrei, inicialmente, foi a falta de suporte a caracteres internacionais, como os acentos que usamos na língua portuguesa. No entanto, mandei uma mensagem ao autor, comentando sobre isso:

Hi Sam, how are you doing?

My name is Daniel, and I’m from Brazil. Just came across your Noteliner application, which I found very clean, simple and useful, after reading about it at del.icio.us and Lifehacker.

When I read your introduction to the software, I saw myself in those words, always around with many “to do” items, but always annoyed by the software tools available, which normally, as you said, generate more work than they save you from.

I have a single question: When I downloaded Noteliner and started using it, I noticed it has no support for international characters, such as accents. Portuguese, which we speak here in Brazil, is full with such.

Do you plan to release an upcoming version supporting international characters? That would most certainly make me abandon any other tools for it. If you need help localizing it too, I would be willing to help you.

Hope to hear from you soon.
Thank you in advance, for your answer, and thanks for sharing Noteliner with us.

Daniel

http://danielsantos.org

Depois de uma resposta do autor dizendo que ele incluiria a funcionalidade em uma próxima versão, fiquei surpreso hoje, no final da tarde, quando recebi, de antemão, uma versão com suporte a caracteres internacionais. A mensagem era a seguinte:

Hello,

I’ve updated Noteliner to allow entry of international characters.
I know that it works in French so I’m guessing the other letter-based languages should be okay.

Can you tell me if you still have problems?
Please see link below.

If it works I’ll update the site tonight.
Thanks,
Sam

A comprovação de que a versão funcionou é a imagem que resolvi utilizar para ilustrar este texto, justamente fruto de um dos testes que andei realizando antes de enviar um novo feedback ao autor. Na prática, o fato de ter um desenvolvedor tão preocupado em implantar melhorias de maneira rápida é apenas mais um dos motivos que me faz declarar que, se você ainda não experimentou o Noteliner, esta dormindo no ponto.