em Software

Hottnotes: Um “to do” muito simples

Nas últimas semanas a quantidade de coisas das quais tenho tido que me lembrar — no âmbito profissional — parece ter crescido de forma exponencial. São reuniões, relatórios, afazeres diversos e pendências que eu não posso deixar passarem, sob pena de ver o teto cair sobre a minha própria cabeça.

É bom dizer que, justamente por passar por situações como essa já há muito tempo, desenvolvi uma técnica bastante simples para gerenciar minhas atividades: Ela envolve apenas papel e caneta (ou lápis, se você preferir). Pega-se uma folha em branco, anotam-se as atividades pendentes (e as datas, entre parênteses, se for o caso), e desenham-se caixinhas   esquerda, para que sejam marcadas   medida em que tudo fica pronto. Se novas pendências entram na fila, vão para a parte inferior, numa tentativa de simular o conceito FIFO, ou, first in, first out, sempre que possível.

Hottnotes: Adeus ao "to do" manual?

Honestamente, é algo simples e eficaz.

Mas, sendo uma pessoa ligada a área de tecnologia, há tempos me pergunto sobre uma solução software-based que me trouxesse auxílio na hora de eliminar uma montanha de afazeres de forma minimamente estruturada, preferencialmente de forma tão simples quanto a que eu já uso atualmente. A interface precisaria ter caixinhas   esquerda das tarefas, que pudessen ser marcadas quando uma delas fosse eliminada — ou concluída.

Além disso, idealmente, o programa deveria ter assinatura de memória pequena, ser portátil — podendo ser carregado num pendrive, sem a necessidade de instalações, basicamente por conta de, em algumas máquinas onde opero, não possuir privilégios administrativos para instalação, e gratuito. Além disso, nada de ser online: Gerenciar minhas tarefas tem que ser uma tarefa que não me obrigue a estar sempre conectado   Internet, uma vez que há um controle da empresa onde eu trabalho com relação a este tempo.

Essa busca, apesar de ter-me feito testar alguns bons candidatos nos últimos tempos, sempre acaba sendo infrutífera. Programas mais pesados do que deveriam, pagos, com interfaces complexas, e uma série de outros obstáculos sempre me mantém fiel ao meu velho e bom método manual. Mas parece que, finalmente, encontrei alguma coisa que pode ser a resposta dos problemas em questão. Trata-se de um programa chamado Hottnotes.

O software — cujo desenvolvimento parece estar inativo, já que a sua última versão data de 2007 — na verdade é um gerenciador de sticky notes, aquelas notas que imitam post-its e que ficam na tela dos computadores, sobretudo nos escritórios. No entanto, há uma opção extra que permite a criação de um tipo especial destas notas, a checklist note, em que quadradinhos acompanham o texto   esquerda, e podem ser marcados   medida em que as coisas vão sendo resolvidas — tal como na imagem que ilustra este texto. Desta forma, o programa parece ser, realmente, o que mais se adequa ao conjunto de requisitos que eu esperava encontrar.

A estrutura da versão portable permite verificar que todas as notas — bem como as configurações — são armazenas seguramente, em arquivos XML, podendo ser facilmente recuperadas através do chamado Notebook da aplicação. Como bônus, o programa permite criar ainda mais um tipo de nota, a scribble, em que é possível desenhar as anotações, o que pode ser útil para quem tem um Tablet PC, ou para aqueles que, como eu, de vez em quando brincam de desenhar com mesas digitalizadoras. Interessantíssimo.

Escreva um comentário

Comentário

  1. Parece interessante! Mas, nunca deu uma chance ao Google Tasks? Integrado ao Gmail, é uma mão na roda para eu não esquecer algumas pautas, especialmente pela integração com e-mails recebidos.

    []’s!

    • Dei a chance sim, Rodrigo… na verdade, revisitando as tasks agora há pouco, vi diversas pendências que eu cadastrei, da época em que testei a coisa como um todo.

      O maior problema, na verdade, se deve ao fato de que o Google (e todas as suas aplicações) estão bloqueadas em meu local de trabalho, coisa que não acontecia num passado não muito distante. Quem sabe se daqui a um tempo essa mentalidade voltar a mudar, fique mais fácil de usar, novamente, o Tasks.

      Abraço!