em Couch potato

Sherlock Holmes não é nada elementar

Ontem fui assistir Sherlock Holmes, depois de ter ouvido alguns amigos falarem muito bem do filme, e também depois de capturar algumas opiniões sobre a história através do Twitter.

Não me arrependi: Robert Downey Jr. e Jude Law fazem um par perfeito ao interpretarem a dupla formada pelo famoso detetive londrino e seu amigo e companheiro de aventuras, Dr. Watson.

A história — que eu achei que ia ser baseada em algum dos 4 romances ou dos 55 contos que foram escritos por seu criador, Sir Arthur Connan Doyle, mas que foi escrita especialmente para o cinema — é garantia, ao menos na minha opinião, de prender a todos nas cadeiras: Gira ao redor de Lord Blackwood, praticante de magia negra preso por Holmes e Watson em seu último caso, condenado e morto na forca, mas que volta do mundo dos mortos — isso mesmo!! — disposto a por em prática ardis inimagináveis.

Interessante e recheada de pistas que nos provocam até o final do filme, a narrativa, ao contrário do tom mais sóbrio dos livros, é bem recheada com elementos mais modernos, como cenas de briga em câmera lenta, ao estilo Matrix, muitas vezes narradas por Holmes como que para serem executadas em seguida, nos mínimos detalhes, a partir de fatos ocultos e deduzidos por ele em questão de centésimos de segundo: Os 128 minutos de filme passaram como se fossem em um piscar de olhos, e me deixaram com gosto de quero mais.

Felizmente para mim e outros que gostaram do filme, uma sequência já está planejada, e deve começar a ser filmada rapidamente, já em junho de 2010, pelo menos de acordo com o site ScreeRant. Isso condiz com o final do filme, em que há gancho para tanto, e assim posso sonhar com o dia em que Sherlock Holmes se tornará uma franquia de sucesso.

Escreva um comentário

Comentário

Webmentions

  • Daniel Santos

    Novo no blog: Sherlock Holmes não é nada elementar (http://bit.ly/6wTOmm)