em Dicas e tutoriais

Não se assuste (mais) com URL rewriting

Você já ouviu falar, algum dia, em URL rewriting?

O conceito é simples: Através do uso de um software apropriado, pode-se facilmente modificar a aparência de uma URL — ou, para ser o mais inteligível possível, pode-se fazer com que um endereço de internet digitado no navegador faça muito mais sentido para quem o está digitando do que normalmente poderia ser.

Vejamos: Qualquer site da web que seja dinâmico — este meu blog, por exemplo, utiliza uma ferramenta dinâmica de gerenciamento chamada WordPress — depende de que as URLs digitadas pelo usuário lhe digam o que deverá ser exibido. Considere por exemplo, uma das páginas de um site de loja de animais, cujo endereço é o seguinte:

http://www.pets.com/show_a_product.php?product_id=7

Há algumas coisas que se pode deduzir do endereço acima, como, por exemplo, o fato de que as informações de um determinado produto deverão ser exibidas — no caso, o produto 7. Mas o que mais podemos dizer sobre o produto? Trata-se de ração? Trata-se de um brinquedo para animais? Embora seja fácil chegar a conclusão de que é impossível afirmar qualquer coisa sobre o produto, é realmente impressionante a quantidade de pessoas que passam para seus amigos e familiares endereços neste formato, que são impossíveis de memorizar.

A função do URL rewriting é justamente transformar endereços de web como o do exemplo acima em algo deste tipo:

http://www.pets.com/parrots/norwegian-blue/

Muito mais inteligível.  Note que agora, antes de acessar o endereço, o usuário saberá que estamos falando de papagaios (“parrots”), e, mais especificamente, do papagaio norueguês azul. Além disso, adicionalmente   vantagem de ser um endereço mais fácil de memorizar e passar para quem quisermos, ao utilizarem-se de URL rewriting, os donos de sites na internet poderão ter suas páginas indexadas pelos sites de busca, como o Google, já que eles entendem os hífens como espaços, e os underscores ( _ ) do exemplo anterior são ignorados.

Há, no entanto, uma questão muito interessante sobre esta técnica: Ao mesmo tempo em que ela pode ser empregada para aumentar a usabilidade de um site na internet, a edição de um arquivo .htaccess — empregado no processo — pode também significar, de uma hora para a outra, o início de horas e horas de puro sofrimento. Assim sendo, é importante saber onde procurar exemplos e referências antes de tentar se aventurar neste mundo.

Recentemente, em meio a minhas idas e vindas entre o WordPress e o Posterous, precisei realizar algumas edições em um arquivo .htaccess. Como não é lá muito habitual de minha parte ficar mexendo com isso, recorri a uma famosa referência que existe bem   mão, para que a coisa fosse a mais indolor possível. Trata-se do Apache URL Rewriting Guide, que já me livrou de poucas e boas anteriormente.

Acontece que o guia em questão não está lá em uma linguagem das mais acessíveis, e pode assustar alguém que esteja desavisado. Ocorre que acabei encontrando, meio que sem querer, admito, uma outra referência, o URL Rewriting for Beginners, escrito já há alguns anos por uma caridosa alma, mas recheado de exemplos como os da loja de animais, que adaptei para este texto, e com dois grandes bonus: O primeiro um guia de consulta rápida sobre mod_rewrite, e o segundo, um guia sobre expressões regulares, sobre as quais é muito desejável que se tenha ao menos noções, antes de resolver se aventurar por aí.

Com as referências que encontrei — e que estou compartilhando aqui para que outras pessoas necessitadas possam encontrar um caminho — eu me sentirei muito mais tranquilo na hora em que precisar me arriscar por aí, e assim não terei que temer — tanto — os famigerados erros 500 do protocolo HTTP, que costumam aparecer quando fazemos uma curva errada no trajeto. Espero que a dica seja bastante útil.

Escreva um comentário

Comentário

Webmentions

  • Daniel Santos

    Novo no blog: Não se assuste (mais) com URL rewriting (http://bit.ly/6L1RHX)