Eternally stuck in beta version

Democracia na validade dos créditos de celular

smscreditos1.jpgÉ fato que, dentre as novas regras de telefonia celular da Anatel, que passaram a vigorar em 15 de fevereiro último, uma delas de longe parece beneficiar um maior número de donos de aparelhos móveis, os que, assim como eu, usam seus telefones em modalidade pré-paga.

Ocorre que a interpretação mais comum da tal regra que tenho ouvido por aí é a de que os créditos adquiridos passam a ter validade de 180 dias corridos. Isso seria extremamente interessante se não houvesse um pequeno detalhe envolvido: Nem todos os créditos adquiridos a partir das novas regras terão esta validade.

É importante dizer que a verdadeira regra diz que as empresas são obrigadas a oferecerem recargas que valham por 180 dias. Para saber o que isso quer dizer na prática, basta observar a recarga que fiz esta semana em meu pré-pago, um número da Claro. Conforme ilustro neste artigo, acrescentei R$ 20 ao meu saldo, e isso fez com que a validade dos meus créditos se prolongasse por mais 60 dias, e não 180. E as empresas estão agindo dentro da nova regra ao fazerem isso.

Validade dos Créditos
A Claro passa a oferecer a recarga de R$ 150,00 com validade de 180 dias. As recargas de outros valores continuam com as validades atuais. Quando houver uma nova recarga, os créditos antigos passarão a ter a validade desta última recarga.

Isso significa que R$ 15 em recarga na operadora estenderiam a validade dos créditos por apenas 30 dias, e, caso eu realmente quisesse os 180 dias de prazo, precisaria adquirir R$ 150 em créditos.

Acontece que nem todo mundo que é dono de um pré-pago pode ou deseja adquirir um valor tão exorbitante assim em créditos de telefone, mesmo que seja para que o valor dure meio ano.  O grande cerne da questão é que muita gente alega usar o celular para fazer, como se diz popularmente, as vezes de pai-de-santo, ou seja, só para receber ligações, e assim a validade dos créditos — seja ela por qual período for — acaba sendo vista como injusta por muita gente.

Como melhorar essa questão?

Preciso dizer que não acho que uma melhoria estaria em medidas radicais como a que propõe o deputado Moreira Mendes, do PPS de Rondônia, que apresentou projeto de lei para ampliar a validade dos créditos pré-pagos para dois anos. As operadoras fatalmente alegariam que sem a compra de créditos pelos usuários seu modelo de negócio não funcionaria graças aos altos custos de manutenção da rede, etc e tal.

Na verdade acho que o modelo dos créditos celulares pré-pagos deveria se igular  quele aplicado na telefonia VoIP. Mais especificamente o do Skype que não deve ser o único a fazer isso, é claro, mas que é o que conheço bem. No SkypeOut, por exemplo, os créditos, independente do valor carregado, valem por 180 dias e, para renová-los por um período igual, basta fazer pelo menos uma ligação a cada seis meses.

Vejam que isso endereçaria os dois principais interessados no modelo: Os consumidores ficariam satisfeitos, pois mesmo um celular pai-de-santo de vez em quando também é usado para fazer uma ligação, mesmo que curta. Se você acrescenta um intervalo de seis meses para que uma chamada originada de um pré-pago ocorra, então, aumenta as chances de manutenção da linha.

As empresas também poderiam se satisfazer. Com a origem de chamadas a partir destes aparelhos, poderiam tarifar as ligações normalmente, mantendo seu modelo de negócio intacto, já que diariamente milhares e milhares de usuários pré-pagos estariam fazendo suas chamadas eventuais. Seria perfeito, e acrescentaria, como cito no título deste artigo, um quê de democracia   validade de créditos de celulares.


Reader Comments

  1. Eu sinceramente não concordo, e digo com propriedade, pois já fui usuário pré-pago e hoje sou um feliz pós-pago.
    As empresas não são obrigadas a manter linha ativa para cliente que não põe créditos.
    Quando tinha celular pré-pago ficava de birra sem colocar créditos só para esperar o fim da validade… puta coisa ridícula, hoje pago 60 reais por mês sem reclamar, uso o celular mais para internet do que para falar, e quando vira a fatura, meus créditos acumulam.
    Sofrer pra que se posso pagar?
    Abração

  2. Não concordo que, para se obter 180 dias de créditos em uso sem restrição alguma tenha que se pagar 150 reais.
    Se fosse pra pagar tanto teríamos celulares pós-pagos como nosso amigo Neto (que fez o comentário aí de cima); se é pra valer 180 dias, que valha pra todos – dos 20 aos 180 reais; pois há pessoas, creio eu, que utizam apenas o necessário num telefone celular e, quando precisam usá-lo não o podem fazer pois tem de recarregá-lo.

    até mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *