em Crônicas do Cotidiano

543: Eu sem o meu computador

Aviso: Esta é uma história narrada na terceira pessoa.

Tudo o que Daniel queria era um computador mais moderno. Como em todas as outras vezes em que esse pensamento lhe ocorreu, foi motivado por algo muito simples: Anos a fio usando o mesmo computador, que foi ficando cada dia mais obsoleto. Também como em outras vezes, a saída pensada por ele foi fazer um upgrade dos componentes.

Isso parecia simples: Trocar sua velha placa-mãe, uma ASUS A7S333, por uma muito mais moderna, a ASUS P5SD2-X. Além disso, é claro, devido   incompatibilidade de padrões de processador — a antiga AMD, a mais nova, Intel —, seria necessário atualizar também este componente, além de adquirir memórias DDR2. Lá se ia o processador Athlon XP 2400+.

Lá se foi Daniel, com coragem: Comprou a placa-mãe nova, comprou o processador novo, um Pentium 4 HT 631, bacana, com 3.0 Ghz de clock, LGA 775, FSB de 800 Mhz, e tudo mais que era exigido por esta placa. Montou o computador com toda a alegria, ajudado por um amigo, ambos ávidos por configurá-lo assim que fosse possível ligá-lo. E quando veio o momento, ele não ligou. Nem com reza brava.

Daniel e seu amigo descobriram, após ler o manual — o que ninguém nunca faz logo de cara, mas somente quando algum problema aparece — que a nova placa-mãe, como era compatível com processadores Pentium 4, precisava não apenas de um conector de 24 pinos para se energizar, mas também de um conector EATX 12V extra, sem o qual a placa não se ligaria. Minha fonte ATX comum precisaria ser trocada por uma ATX 2.0.

diagrama_p5sd2x.jpg

Já que eu precisava mesmo trocar a fonte, comprei logo uma de 900W reais — a Leadership Gamer. Crentes que depois desta instalação tudo funcionaria, tornamos a tentar ligar a máquina, e mesmo assim, nada funcionou. A situação se manteve inalterada. Depois disso, resolvi apelar e pedir ajuda para os universitários: Levei o meu gabinete para um técnico e abri uma ordem de serviço, de número 543.

Por conta disso, estou no momento sem micro, sem condições de escrever alguns artigos dos quais tive as idéias nestes últimos dias, e tentando fazer o tal técnico correr pra me entregar logo o computador de volta: O prazo que ele me deu é de uma semana, e eu não sei se consigo sobreviver tudo isso longe dos meus bits e bytes particulares. Ã?Å  vidinha…

Escreva um comentário

Comentário