em Web

Combata alguns vícios da Internet

Li um artigo esta semana com 8 dicas práticas para nos livrarmos de um problema chamado Internet ADD — ou Internet Attention Deficit Disorder. Na verdade, trata-se do vício (que eu mesmo admito que muitas vezes me persegue) de alternar as atividades do trabalho com a leitura de notícias, blogs, e-mail e o envio de mensagens instantâneas, o que pode acabar afetando a produtividade de muita gente.

Todas as dicas são bastante interessantes e relevantes, mas uma em especial que devo experimentar é ocultar a barra de tarefas do Windows para que eu não veja as notificações de novas mensagens de e-mail que abarrotam minha caixa de entrada diariamente o tempo inteiro. Isso me atrapalha muito, pois faz com que eu me sinta impelido a parar tudo o que estou fazendo na mesma hora só para saber o que me enviaram. Ao invés disso, vou tentar dar uma olhada nas mensagens em horários fixos, inclusive para respondê-las. Talvez funcione.

Outra coisa muito importante no meu caso é como tratar o instant messaging.

O artigo que li cita — e vivo isso na prática no meu próprio ambiente de trabalho — que um dos principais aliados do mundo corporativo atual, o envio de mensagens instantâneas para providenciar pequenos alinhamentos entre os colegas de trabalho pode também ser um grande vilão. É inevitável que acabe se usando o recurso também para comentar uma notícia interessante encontrada justamente na Internet, o último episódio da terceira temporada de Lost ou até mesmo para contar piadas ou decidir onde se vai almoçar.

Para que o mensageiro eletrônico não atrapalhe, basta aprender a usar corretamente os status de presença. No meu caso, se estou trabalhando em algo realmente importante e imprescindível, me desconecto, ou seja, fico offline. Se não se pode ou não se quer ser tão radical, há sempre a possibilidade de se ficar invisível ou indicar que não está próximo do computador naquele momento: I’m away, exatamente como nos bons e velhos tempos do IRC. O maior problema neste caso são as pessoas (ou seriam, com o perdão da expressão, as malas) que simplesmente ignoram os status de presença e ficam te mandando mensagens uma atrás da outra mesmo assim.

Já a dica que achei mais radical para o ambiente de trabalho — no meu caso, é impraticável — é, na verdade, excelente para a vida pessoal: Trata-se do desafio de passar um dia inteiro por mês completamente offline, ou seja, com zero contato com a Internet, PDAs, mensageiros eletrônicos e tudo o mais. O Glacial, por exemplo, dia desses comentou que ficar sem internet pode causar uma séria crise de abstinência mas, me acreditem, não há nada melhor do que passar um bom tempo desconectado, lendo um livro, assistindo   um bom filme em boa companhia, ou brincando com seu filho. Todo mundo deveria experimentar isso pelo menos uma vez por mês.

Escreva um comentário

Comentário

  1. As dicas são ótimas. É realmente difícil lidar com esses malas de IM, ainda mais quando o seu IM é uma ferramenta de trabalho e DEVE ficar aberto. O povo simplesmente ignora o “busy” (e olha que eu costumo além colocar o status em “busy”, escrever *ESTOU OCUPADO* na mensagem de status.

    Agora, confesso que ficar um mês sem me conectar me causaria uma crise SÉRIA de abstinência. Pode parecer besteira, mas é uma realidade para quem fica conectado 12h/dia sendo que das outras 12, 8 são para dormir, mais 1 para Celular/Game/TV e 3 pra namorada, senão ela me mata hahahahah.

    Passei um final de semana em um sítio (sítio mesmo, aqueles com leite direto da vaca, lamaceira, barraco de madeira, forno à lenha, porcos vacas e insetos vagando e cagando ao seu redor) e voltei mais estressado do que estava quando fui!

    É isso aí, escrevi um post aqui!

    Um abraço Daniel!

  2. Mas Daniel, as pessoas sofrem porque querem, eu sei quais são meus trabalhos que exigem full atention, então simplesmente fecho o comunicador! Se não fizer isso e ocorrer interrupções começo a estressar…
    Abração cumpádi.

  3. @Neto: Pois é, cumpádi! O detalhe é quando você precisa, por um motivo ou outro, manter o comunicador aberto. E no meu caso, a Empresa o instalou como parte do nosso programa de e-mail, nativamente. Às vezes, quando a gente se esquece desse detalhezinho, pode acabar sofrendo um pouco, né? Abração!

    @Carol: Pois é, Carol. Como eu disse ao Neto, e como já havia lembrado anteriormente o Tiago, o detalhe é precisarmos dessas coisas pra trabalhar… daí não tem jeito, né? Mas quem sabe um dia o povo aprende a usar os status melhor… quem sabe. Bjo procê.

  4. Olha hoje em dia a internet nos ajuda em muitas coisas, mais também nos prejudica muito.Na minha opinião os pais deveriam por limites em seus filhos.Eu só tenho 12 anos mais eu penso no meu futuro, no meu páís um adolescente quase agrediu sua mãe após ter passado mais de 40horas na frente de um computador.Eu fiquei chocada. E pensei até que ponto a internet pode fazer com a gente.Minha mãe me mimou muito, mais soube me por limites e eu agradeço muito isso, porque podia ser eu ou um amigo meu, que graças a Deus que não foi.
    E o meu pensamento é que os jovens deveriam pensar mais em seus atos porque pode até machucar alguma pessoa.

    Belém, 30 de Setembro de 2.007.
    Ellen Teixeira.