Jogando Sudoku

Nem todo mundo gosta de Sudoku que, desde pequeno, já sei que é um jogo japonês onde o que importa é encaixar um monte de números pra que nenhum deles fique sem lugar numa tabela cheia de quadrados… Sei disso porquê minha mamãe adora jogar esse jogo. É praticamente uma viciada nele e, 75% do tempo em que está no computador, é pra essas tabelas de números que ela fica olhando pra passar o tempo…

Eu, é claro, gosto de mexer no computador aqui de casa não é de hoje… Afinal de contas, sempre que tenho uma oportunidadezinha, lá vou eu “teclar” alguma coisa e dar meus “cliques de mouse” por aí… Sendo eu um bebê da era da internet, como vocês sabem, preciso estar devidamente preparado para essas mudanças tecnológicas que acontecem o tempo inteiro no nosso mundo, que eu ainda estou conhecendo… Assim, hoje aproveitei para ajudar a mamãe com uma das partidas dela… Foi uma coisa muito divertida de se fazer!

Mosaico de Sudoku do Xande

Pela cara que a mamãe fez, não sei bem se no final das contas ajudei ou atrapalhei as estratégias dela… Mas o que eu sei de verdade é que, independente disso, nós nos divertimos bastante e demos umas belas de umas risadas… :)

E a sua colinha?

Vota Brasil Este ano, serei mais uma vez mesário e, desta vez, presidente de uma seção eleitoral. E faltando apenas quatro dias para que aconteçam as Eleições 2006, me sinto no dever de perguntar a vocês: Vocês já decidiram em quem vão votar? A colinha já está pronta?

Pode parecer impressionante que eu pergunte isso, mas trata-se de uma das coisas que mais atrasam o processo eleitoral. Muita gente espera chegar na frente da urna eletrônica para, só então, se dar conta de que não tem os números dos candidatos, seja em mente, seja escritos em um papel. E sem números, não se pode votar. Assim, se alguém ainda estiver procurando um modelo de colinha, criei um que você pode usar inclusive para distribuir para seus parentes e amigos. É simples, mas funcional. Aproveite e, depois que escrever, faça uma simulação on-line da votação.

Quanto à decidir sobre para quem vai seu voto, há vários mecanismos: O horário político obrigatório — que eu, particularmente, duvido que alguém use para tomar sua decisão, visto que muita gente prefere desligar a TV ou assistir a canais pagos, que não são obrigados a transmiti-lo, enquanto ele é exibido —, notícias de jornal e debates promovidos pelas emissoras entre os candidatos mais bem colocados são bons exemplos. Mas, se nada disso resolver, só posso aconselhar a escolher alguém de sua confiança. Alguém de quem, pelo menos, você conheça o passado e que não esteja envolvido em nenhum escândalo.

E se você não lembrar do número dos candidatos de cabeça, pode recorrer à consulta integrada disponibilizada pelo Tribunal Superior Eleitoral, que lista todos os nomes concorrentes a todos os cargos, em âmbito nacional. Se você mora no estado de São Paulo, como eu, há uma lista em formato PDF que julgo melhor: Além de ser específica para os paulistas, ainda traz os candidatos e seus apelidos — que muitos usam para concorrer —, coisa que não está disponível na lista do TSE.

No mais, é desejar-lhes uma boa eleição. E pedir-lhes que votem com calma e consciência. Ainda acho que um voto responsável pode mudar muita coisa nessa situação que vive o país. É esperar pra ver.

Just keep it fun!

Muita gente que eu conheço tem blog próprio. Muita gente que eu conheço, por sinal, só tive a chance de conhecer justamente porquê me propus a começar a registrar minhas idéias e pensamentos na internet, com a esperança de que o que eu escrevesse trouxesse informação, conhecimento ou entretenimento para quem quisesse ler. De fato, todos temos diversos motivos para começar um blog, dos mais triviais aos mais complexos.

Independente do motivo pelo qual começou, será que você se preocupa com a popularidade do seu blog? Sabemos que existem diversos blogs populares na blogosfera brasileira atualmente e, muitas vezes, pode ser que tenha passado pela sua cabeça o pensamento inevitável de que “você gostaria muito de ser, mesmo que por alguns instantes, como alguma das celebridades blogueiras do Brasil”.

Mas será que existe uma regra para ser um blogueiro popular? De antemão, acho que arriscaria na resposta negativa. Não acho que alguém seja capaz de dizer que tem uma receita de bolo pra aumentar seu número de visitas. Mas lendo um artigo interessantíssimo, escrito por Neil Patel em seu próprio weblog, descobri que é possível que existam algumas coisas que possam ser feitas se o seu interesse é aumentar sua popularidade através da única coisa que você pode controlar em seu site, o conteúdo publicado. Abaixo, resolvi colocar os pontos para os quais ele chama a atenção:

Dê as últimas notícias

Diz Neil: “— As notícias se espalham pela blogosfera como fogo na mata. Se a notícia for realmente ‘quente’, todo mundo vai começar a escrever sobre o assunto, linkando de volta para o lugar onde encontraram uma referência sobre o mesmo. Na maioria dos casos, não é fácil dar uma notícia em primeira mão, devido a milhares de pessoas que estão constantemente tentando fazer a mesma coisa. Mas se você conseguir encontrar tempo para dar notícias em primeira mão, as pessoas farão links com seu blog e começarão a lê-lo regularmente, para que possam estar atualizadas com os últimos acontecimentos“.

Pessoalmente, já vivi uma fase em que uma de minhas preocupações era dar necessariamente as últimas notícias em meu blog. De verdade, isso não funciona. De vez em quando eu realmente conseguia êxito e tinha, pelo menos, a “sensação” de que eu tinha conseguido dar um furo de notícia. Mas num mundo onde, como diz o próprio Neil Patel, há milhares e milhares de pessoas tentando fazer isso o tempo inteiro, e muita gente em caráter profissional, é complicado fazer isso o tempo inteiro. Então, deixei para os profissionais do ramo. E agora procuro apenas divulgar o que acho mais interessante, ao mesmo tempo em que dou meus toques e opiniões pessoais ao que abordo.

Escreva aos fins de semana

— Há uma boa chance de que seus leitores também acompanhem outros blogs. Devido à incontável quantidade de blogs que publicam seus artigos diariamente, eles provavelmente não têm tempo de ler todos eles. Se você publicar algo quando eles estiverem com tempo, tal como nos fins de semana, haverá uma boa chance de que eles leiam seu blog. Observe todos os blogs que falam do mesmo assunto que você. Há uma boa chance de que nenhum deles publique nada aos finais de semana. Eu sei que alguns podem não concordar com esta idéia, mas é algo a se considerar se você tem tempo nos finais de semana“.

Esta é uma observação interessante. Eu tenho escrito muita coisa aos fins de semana, mesmo porquê tenho passado muito do meu tempo livre cuidando do Xande e as únicas horas que me sobram são as madrugadas dos sábados e domingos. No entanto, ao mesmo tempo em que muitos sites não publicam conteúdo nestes dias por motivos mais do que óbvios, o mesmo fenômeno afeta as visitas a sites da internet, particularmente os blogs de muita gente. Mesmo assim, acho que vale a pena escrever. Se não for no final de semana, em algum momento alguém vai procurar ler o que você escreveu e, se isso lhe gerar ao menos um comentário ou visita, terá valido muito à pena.

Escreva artigos atemporais

Outro dos conselhos dados por Patel: “— Tente não escrever apenas artigos com vida média de uma semana. Misture um pouco falando sobre coisas que são atemporais. Este tipo de artigo pode não ser um sucesso imediato, mas pode se tornar popular daqui a alguns meses. Então, tente escrever também alguma coisa que possa durar por mais tempo do que um dia ou uma semana“.

Vocês já repararam que muitos sites que têm muitos acessos escrevem sobre assuntos como estes? Quero dizer, relatos históricos, experiências passadas com tecnologia ou qualquer outro assunto. Referências futuras para que alguém possa consultar. Tudo isso movimenta o mundo dos blogs, sim, e pode ser uma boa oportunidade para qualquer um escrever algo que possa ser útil daqui a vários anos. De vez em quando eu procuro produzir conteúdo desta maneira. É difícil, mas interessante, ver que ao longo do tempo continuem ocorrendo diversas visitas a algum artigo de um assunto específico sobre o qual você resolve escrever.

Ensine, não venda

Outro conselho: “— Muitas pessoas começam um blog porquê querem ganhar dinheiro. Não há nada errado em se tirar dinheiro de um blog, ou mesmo em se blogar para ganhar dinheiro, mas deve-se tentar não transformar cada artigo escrito em uma loja para a venda de artigos. Se você tentar educar e ensinar as pessoas através de seu blog, pode se tornar possível que as pessoas lhe reconheçam como uma autoridade na sua área de conhecimento, o que pode gerar ótimas oportunidades“.

Ensinar é algo de que eu gosto muito. No passado, estive mais fortemente engajado em listas de discussão como a WordPress Brasil, a qual gerou inclusive algumas parcerias com meus amigos Patrícia Müller e Neto Cury, com os quais mantive um blog sobre o assunto, basicamente procurando dar dicas aos usuários menos experientes da ferramenta que todos usamos para criação e edição de nossos sites. Foi muito proveitoso, e confesso que preciso, assim que a paternidade me der uma folga, voltar a fazer isso (especificamente a vocês dois, quando lerem: Estou refazendo o convite publicamente, viu?).

Entre na conversa!

Uma última dica dada por Patel: “— Mandar e-mails a outros blogueiros e perguntar-lhes a respeito de links pode ser uma abordagem interessante para aumentar seu tráfego. Mas outra grande maneira de se aumentar a popularidade é através da participação em outras conversas. Um bom exemplo disso foi quando Rohit Bhargava escreveu 5 Rules of Social Media Optimization (“5 Regras da Otimização de Mídia Social”). Depois que milhares de pessoas viram as regras e começaram a adicionar coisas à lista, elas se tornaram as 17 regras”.

Acho que, das regras descritas por Patel, esta é a mais importante. E uma das que eu mais preciso praticar e só não o faço por falta de tempo. Se você acha que algum assunto abordado por um blogueiro que você costuma ler freqüentemente é interessante, cite-o em seu site. Faça a roda girar, faça com que as pessoas que não o conhecem passem a conhecê-lo. Contribua, faça de tudo para adicionar informações que você acha relevante aos tópicos que cada um produz. Mesmo que não seja imediatamente, com certeza suas contribuições serão muito relevantes e proveitosas para muita gente que vier a passar por um blog ou site no futuro.

O motivo principal que me levou a traduzir e publicar as dicas de Patel foi minha identificação com elas. Ainda que eu não possa afirmar, sobre mim mesmo, que esteja necessariamente atrás de popularidade, procuro publicar um weblog agradável de ler e com as informações mais úteis possíveis. Também acredito que todas as dicas são interessantes a seu modo. A meu ver, elas podem ser aplicadas para qualquer pessoa, a qualquer momento. Mas, independente da aplicabilidade, acredito que qualquer blogueiro tenha que ter em mente um único pensamento fundamental: Manter seu site pela diversão, pelo lazer, por gostar de escrever e expressar idéias.

Não acredito muito, por exemplo, em redes sociais, como o famoso Orkut, que, por sinal, no meu caso, anda mais sem movimento do que casa de praia na alta temporada do inverno. Mas blogs são um ótimo exemplo de rede social: Afinal de contas, o que são todos aqueles links nos nossos blogrolls, senão sites de pessoas que nos cativaram em algum momento, quer usando alguma das regras acima ou não? Acho que qualquer um que esteja listado em pelo menos um blogroll de um único site pode se considerar um vitorioso, já que, no fundo, há pelo menos uma pessoa interessada nas idéias que tem para transmitir. So, keep it fun. Always.

Dormindo quase sozinho!

Abraço no Palhacinho

Às vezes eu durmo à tarde na minha caminha sozinho, porque minha mamãe me deixa lá dizendo que vai dar uma saidinha rápida e já volta. Eu então fico esperando, na companhia dos meus amiguinhos Palhacinho ou Ursinho, enquanto ela coloca uma musiquinha pra eu ouvir e, quando eu penso que não, já estou dormindo.

Mas hoje foi a primeira vez que minha mamãe teve a idéia de me deixar dormindo à noite sozinho na minha caminha! Ela e meu papai sentaram do meu ladinho, desligaram as luzes e colocaram uma musiquinha de fundo, e eu, como sempre, tentei chamar a atenção deles conversando, chamando “papai” e “mamãe” e dando umas risadinhas, mas eles ficaram quietinhos e não se deixaram levar por mim, não… A única coisa que vi foi mamãe me fazendo um cafuné bem gostoso… :)

De repente, sem perceber, eu já tinha dormido! Fui acordar só no dia seguinte, depois de ter sonhado com os anjinhos…!



Carros Comunicativos

A Nissan anunciou há alguns dias atrás seus planos para testar o que chamou de sistema inteligente de transporte. Segundo a empresa, trata-se de uma solução que enviará mensagens através de redes wireless para os carros que estiverem trafegando pelas estradas japonesas. Os testes devem envolver cerca de dez mil motoristas em um experimento que deve levar cerca de 30 meses.

De forma similar ao que já acontece com os aviões, que recebem sinais de rádio com a finalidade de orientar seus pilotos na navegação, pouso e decolagem, os carros receberão informações emitidas e transmitidas a partir das balizas que se encontram ao longo das rodovias japonesas. Um computador de bordo, presente nos veículos, fará então o papel de processar o conteúdo dos sinais de rádio e avisar o motorista, através de uma mensagem de voz, sobre perigos como um carro em alta velocidade se aproximando depois da curva — no que, novamente, o sistema se parece com o TCAS de aviões comerciais —, um acidente ou congestionamento.

A idéia, a ser testada já a partir de outubro deste ano, deve funcionar no Japão porquê mais de 50% dos carros japoneses já possuem equipamentos de navegação, como o GPS, instalados a bordo. Nos Estados Unidos e Europa este número cai para 10%, e no Brasil, então, acho que a porcentagem é muito menor.

De qualquer forma, a idéia da Nissan me lembrou um hábito que os brasileiros cada dia mais incorporam à sua rotina: Enviar mensagens SMS para os telefones celulares de parentes e amigos. Com algumas adaptações no sistema, seria algo possível de se implementar nos carros brasileiros. Mas acho que, muito antes disso, seria preciso cuidar da educação média do brasileiro quando está no trânsitos.

YouTube na berlinda?

Veja de 13 de setembro de 2006, com a reportagem sobre o YouTubeEsta semana, meu pai acabou de ler uma reportagem da revista Veja e me perguntou se por acaso eu já tinha ouvido falar de um site chamado YouTube. Eu lhe disse que sim, e que, aliás, o serviço está se tornado um dos mais populares do mundo em termos de armazenamento e troca de vídeos.

O interesse do meu pai pelo YouTube se deu justamente porquê ele achou interessante que o site permitisse o armazenamento de vídeos, uma vez que, até agora, ele só conhecia o Flickr, cujo negócio é a hospedagem de fotos. Obviamente, junto com seu interesse, veio também uma pergunta: “Será possível que tudo o que está armazenado no YouTube é legal?”.

Todos vocês já sabem a resposta, de cabeça. Meu pai, por sinal, também já sabia, e sua pergunta havia sido meramente retórica. Por sinal, o YouTube tem sido duramente acusado por uma das maiores gravadoras do mundo, a Universal Music, de ser um dos grandes veículos facilitadores do abuso de direitos autorais na internet. Isso porquê, de acordo com a gravadora, entre os vídeos que o site permite que seus usuários enviem para seus servidores, estão video clipes e outros materiais que envolvem os artistas licenciados pela empresa. Tal conteúdo é livremente reproduzido — e, com a devida tecnologia, muitas vezes salvo nos computadores de muita gente — sem que o devido pagamento pelos direitos de exibição ocorra.

É realmente possível encontrar muitos clipes de artistas afiliados a gravadoras disponíveis no YouTube. Quando se busca por uma música qualquer, como Shiny Happy People, do grupo R.E.M., por exemplo, são exibidos dezenas de resultados prontos para reprodução imediata. A Universal alega que deve receber do serviço dezenas de milhões de dólares em direitos de exibição do conteúdo de seus artistas e, por sua vez, os responsáveis pelo serviço de armazenamento de vídeos dizem que se prontificarão em remover de seus servidores qualquer conteúdo julgado ilegal.

A Universal fez de sua prioridade atual a busca por uma compensação financeira por parte do YouTube e, se todas as gravadoras começarem a pensar desta mesma forma, pode ser que o site, fundado por ex-empregados do PayPal, se torne o mais novo exemplo do que, no passado, já ocorreu com o Napster. O fato é que, nessa história toda, um comentário feito pelo Marcus Danillo em meu último post vem bem a calhar. Segundo as palavras dele, existe uma visão — muito acertada, aliás — na internet, de que tudo o que é pago é melhor do que aquilo que é gratuito e “a indústria musical foi a única a criar uma excessão para essa regra. É lamentável”.

Ao invés de imaginar um futuro negro sem o YouTube — do qual eu, por exemplo, por utilizá-lo para armazenar alguns vídeos pessoais, sentiria tanta falta quanto de qualquer outro serviço que julgo essencial — é preferível pensar no modelo preferido por outras gravadoras que, ao invés de partirem para o ataque, fizeram alianças com um dos sites que mais cresce em popularidade e número de usuários nos tempos modernos. Foi no YouTube, por exemplo, que a Capitol Records resolveu lançar vídeos de seus artistas, The Vines, Cherish e OK Go.

Um outro exemplo digno de citação é o da Warner Music. A empresa anunciou um acordo pelo qual utilizará o YouTube para a divulgação de seus artistas, o que, na prática, fará com que milhares de músicas e vídeos da gravadora fiquem À disposição de qualquer usuário do YouTube, de graça.

Além desta iniciativa, também faz parte dos planos da gravadora vender conteúdo que poderá ser utilizado por qualquer pessoa que deseje realizar a criação e gravação de seus próprios vídeos.

“O acordo estabelece um modelo pelo qual os provedores de conteúdo poderão transformar a criatividade dos usuários em um negócio legítimo que beneficiará fãs, artistas e os detentores dos direitos autorais”, afirmou Alex Zubillaga, vice-presidente executivo de Estratégia Digital da Warner Music, em comunicado divulgado à imprensa pelo YouTube.

Tais iniciativas, juntamente com a decisão do YouTube de adicionar canais patrocinados aos seus servidores, permitindo que empresas acrescentem anúncios ao site, me parecem muito mais louváveis do que as da Universal. Em resumo, se existirá um padrão ditando as decisões sobre o gerenciamento de direitos autorais num futuro breve, espero que seja minimamente inteligente, e que busque soluções que beneficiem não apenas as empresas que as tomarem, mas também, em primeiro lugar, o usuário, que poderá continuar usufruindo dos serviços que estão na vanguarda deste grande mundo que é a internet.

in Web | 824 Words

Surpreendendo a mamãe!

Xande, o Goleiro!

Hoje mamãe se surpreendeu ao ver que estou me expressando cada vez melhor. Estavamos na sala assistindo o DVD do Cocoricó quando de repente mamãe começou a brincar comigo fazendo algumas perguntas.

Ela perguntava “Cadê o nariz do Xande?”
E eu tratava de colocar a mão em cima do meu nariz.
E o da mamãe? E eu colocava a mão em cima do nariz dela.

Ela perguntava “Cadê a orelha do Xande?”
E eu tratava de colocar a mão em cima da minha orelha.
E o da mamãe? E eu colocava a mão em cima da orelha dela.

Ela perguntava “Cadê o pé do Xande?”
E eu tratava de levantar o meu pé.
E o da mamãe? E eu apontava para o pé dela.

Ela perguntava “Cadê o olho do Xande?”
E eu tratava de colocar a mão em cima do meu olho.
E o da mamãe? E eu colocava a mão em cima do olho dela.

Ela perguntava “Cadê o cabelo do Xande?”
E eu tratava de colocar a mão em cima do meu cabelo.
E o da mamãe? E eu colocava a mão em cima do cabelo dela.

Ela perguntava “Cadê o umbigo do Xande?”
E eu tratava de colocar a mão em cima do meu umbigo.
E o da mamãe? E eu colocava a mão em cima do umbigo dela.

Ela perguntava “Cadê a boca do Xande?”
E eu tratava de abrir um bocão.

E mamãe ficou tão feliz que logo me deu um abraço forte, me encheu de beijinhos, e assim que terminou papai chegou e ela foi logo contar a minha proeza toda boba. Mas, isso eu só faço quando estou afim, pois na maioria das vezes o que eu faço mesmo é um charminho.

Os Jorges

Vocês definitivamente não conhecem o Jorge.

Mas eis que um belo dia, despertado por seu rádio-relógio para mais um dia de trabalho, Jorge reconhece o som da música que lhe acordou: Trata-se de Sweet Child O’ Mine, um dos grandes sucessos dos Guns and Roses na década de 80. Ao ouvir o hit, Jorge também se lembra de que Appetite for Destruction, o álbum onde esta música foi lançada, em 1987, foi um de seus favoritos naquela época.

Appetite for DestructionNaquele mesmo dia, ainda com a música na cabeça, ele pega seu velho LP e pensa consigo mesmo que bem que ele poderia ouvir aquelas músicas novamente, visto que elas lhe trariam boas recordações. Mas Jorge também se lembra de que os tempos mudaram, e que, como não tem o CD do álbum, o som de seu carro, um MP3 Player de última geração, não será capaz de tocá-lo. Nem tampouco o iPod que ganhou de aniversário no mês passado, visto que as músicas nem sequer são digitais.

Acontece que Jorge é um cara antenado com o mundo moderno. E voltando do trabalho, trata de abrir o Shareaza, ávido que está por buscar seu velho LP junto a alguém que, numa rede P2P lotada de usuários dispostos a compartilhar de tudo, tenha um arquivo compactado com as músicas em formato MP3. E olha que o bitrate nem é problema pra ele. Em instantes ele encontra diversas fontes para as músicas e, naquela mesma noite, finaliza a gravação de um CD do Guns and Roses feito em casa, que no dia seguinte já está girando em seu carro, trazendo-lhe as tão desejadas recordações das quais queria se fartar.

Continue reading

in Web | 1,283 Words

Hora do Banho!

Hoje foi a primeira vez que tomei banho em pé, sozinho, dentro do box do banheiro aqui de casa, com o chuveirinho! Mamãe resolveu fazer uma experiência comigo: Como estava muito quente e eu estava bastante sujo — porquê eu, como qualquer bebê que se preza, estava deitando e rolando no chão, pintando o sete mesmo —-, ela me deixou em pé no box e ficou observando qual seria a minha reação…

Xande no Banho 4

Deixei a mamãe bastante surpresa! A única coisa que ela fez pra me ajudar no banho foi passar o sabonete em mim, já que eu fui logo pegando o chuveirinho e comecei a me molhar sozinho! Ah, e também, é claro, joguei água pra todo quanto foi lado! Me diverti muito…! Apesar de eu nunca ter feito isso, acho que deve ter sido igual a tomar banho de mangueira em dia quente!

Xande no Banho Xande no Banho 2

Aliás, nunca comentei com vocês como são os meus banhos, né? Além de, agora, tomar banho em pé e praticamente sozinho, eu também costumo tomar banho de dois outros jeitos: Pode ser com a mamãe, na banheira, principalmente nos dias em que está muito calor — porquê assim posso ficar um pouco mais de tempo dentro d’água, justamente pra espantar o calor e me divertir um pouco com meus brinquedinhos, espalhados pela banheira.

Também pode ser com o papai. Nesse caso espero ele chegar do trabalho e vou logo correndo pro banheiro, todo animado. Por sinal, até abro a porta do box sozinho (afinal de contas, tenho que começar a mostrar meus sinais de independência, não é mesmo?) e, se o papai demora, fico repetindo o nome dele (“papá, papá, papá”) até ele vir me pegar no colo.

Mas, qualquer que seja o jeito que eu tome banho, papai e mamãe já sabem o final da história: Apronto a maior choradeira quando chega a hora do banho acabar, porquê adoro água e pareço mesmo com um peixinho… É preciso que mamãe e papai fiquem me repetindo várias vezes que depois a gente toma outro banho, que depois vou ter mais chance de brincar um pouco na água, que é pra eu ficar mais calminho… ;)

Fazer o que, né gente? Tomar banho é bom demais!



Déjà vu?

E pra não dizerem que é impossível um raio cair duas vezes no mesmo lugar, o presidente da vida dele ataca novamente:

Record vai processar ex-participante de “O Aprendiz”

O ex-participante do programa “O Aprendiz”, Peter Collins, que disse que demitia Justus de sua vida no capítulo em que foi eliminado, pode ser processado pela Rede Record. Ele deu entrevista ao jornal “Extra”, do Rio de Janeiro, e atacou duramente o apresentador Roberto Justus.

Segundo a Record, Collins descumpriu cláusula contratual que o impedia de dar entrevistas até o final do ano. Na entrevista, ele disse que o programa foi decepcionante e afirmou considerar Justus “excessiv0amente egocêntrico”. Collins assinou um contrato com a emissora, no qual se comprometeu a não falar, sob pena de processo e multa contratual.

Parece que a praia do camarada não é mesmo cumprir regras, ou contratos…