Eternally stuck in beta version

Passeio na praia!

Me disseram que todo ano se comemora o ano novo. Como eu nunca tinha ouvido falar disso, gostei da novidade. É uma época em que todo mundo que pode resolve viajar pra curtir um feriado. No caso dos meus papais, fomos pra Ubatuba, onde eu pude aproveitar a oportunidade pra dar uma volta na praia de novo. Eu já tinha feito isso antes, mas eu era muito pequenininho, e agora foi melhor do que antes.

Com a mamãe na praia!

A praia é um lugar muito legal. Logo que chegamos, estranhei um pouco quando a mamãe colocou meus pézinhos na areia. Era um terreno diferente, e bati meus pézinhos no chão algumas vezes até que eu me acostumasse, mas depois ficou tudo bem. Daí mamãe me levou lá no mar, bem pertinho. Eu pude molhar meus pézinhos na água, e senti as ondas batendo neles. A água estava gelada, mas mesmo assim eu gostei! Foi muito legal.

No colo do papai, na praia! Na praia com minha piscininha!

Depois disso, papai colocou água na minha piscininha, que eu trouxe pra poder me divertir. Eu adoro água — toda vez que eu tomo banho é uma festa, já contei isso por aqui — e dessa vez não foi diferente. O único problema é que tive que esperar até o sol esquentar um pouco a água. Mas depois foi pura diversão!

Nascimento do meu novo dentinho!

No dia 31 de dezembro a única coisa nova não foi o ano. Mas, também o novo dentinho na minha boca. Dessa vez, para ser diferente dos outros dois dentinhos que já tinha, e que estavam embaixo, esse resolveu nascer em cima.

Apesar de coçar bastante e incomodar um pouco na hora de comer eu gostei demais da novidade. Isso por que com os dois dentinhos que já tinha eu vivia mordendo tudo que via pela frente. Agora, com mais esse reforço na minha boquinha, além disso, vou poder mastigar melhor as comidinhas que a mamãe me dá.

Uma coisa interessante nesse meu dente é que nem o papai nem a mamãe conseguiram tirar uma foto dele, porque é dificil de consegue um close dele. Por isso, a única foto que ficou melhor foi essa que esta aqui. Espero que nos próximos nascimentos dos meus dentinhos eu consiga fotos melhores.

Meu novo dentinho!

Redes Ocultas

E já que meu último post foi relacionado à redes de trocas de arquivos P2P, nada melhor do que emendar um texto relacionado, ainda mais se ele também tiver alguma relação com o melhor navegador web do mundo, não é mesmo? As coisas tendem a ficar ainda melhores do que já são no mundo da Raposa de Fogo, se uma extensão chamada Allpeers realmente se tornar realidade.

A extensão, divulgada em website próprio, segundo seus desenvolvedores, será capaz de proporcionar aos usuários do Firefox a melhor coisa que já viram desde o próprio navegador. Para isso, quem a instalar passará a contar com um cliente de troca de arquivos P2P completo, que poderá ser ativado e transformado numa barra lateral, de onde um tab separado do navegador poderá ser usado para troca de arquivos, enquanto se visita outros sites.

O mais legal sobre o Allpeers — que contará com conexão à rede BitTorrent para viabilizar as trocas de arquivos — é que ele parece que será orientado à redes privadas de trocas de arquivo. Apenas os usuários que você autorizar verão seus arquivos, e eles podem ser organizados em grupos como Amigos, Trabalho, e assim por diante. Quando alguém na sua rede de amigos obtiver um novo arquivo, todos na mesma rede — e que estejam usando a extensão — serão devidamente notificados.

Usar o próprio navegador para realizar trocas de arquivos parece ser uma sensação maravilhosa. Tanto que me faz coçar os dedos, esperando por um lançamento oficial da coisa toda, pra que eu possa ver efetivamente como funciona. Uma coisa é certa: A melhor coisa que pode haver no Firefox, como dizem os próprios desenvolvedores, pode também ser a pior para aqueles que combatem trocas de arquivos neste meio: Se as redes serão privadas, não dependendo de um servidor central para existirem, então não haverá como a RIAA, ou outras entidades similares, fazerem absolutamente nada. Fecha-se o Grokster ou até mesmo tenta-se fechar o KaZaA. Mas quem fecharia as redes ocultas?

Licença para Trocar

Os deputados franceses estão apoiando a aprovação de uma lei que pode mudar totalmente um conceito que está cada vez mais em prática atualmente: o de que as pessoas tenham que pagar para ter acesso à mídias, como música ou vídeos on-line. Na França, fala-se atualmente de um plano para legalizar as redes de trocas de arquivo P2P ââ?¬â?? tão combatidas por diversas organizações, como a RIAA, americana, por exemplo ââ?¬â??, ao mesmo tempo em que seria iniciada uma cobrança de royalties para acessar a Internet, como uma forma de compensar os detentores de direitos autorais sobre os diversos conteúdos.

Os royalties, neste caso, seriam incluídos no preço da assinatura mensal do provedor de acesso à Internet das pessoas. Enquanto isso, a troca particular de arquivos entre as pessoas seria legalizada através de uma licença apropriada, desde que uma taxa mensal de €5 fosse paga. Trata-se do desejo de alguns especialistas ââ?¬â?? não apenas franceses ââ?¬â?? de diluir o custo que é pago por se acessar mídia on-line em hardware ââ?¬â?? como os gravadores de CD ââ?¬â?? ou em conexões à Internet, que tornam a operação possível.

Na França, um grupo chamado Sacrem, que controla royalties, passaria a ser responsável por coletar fundos entre os provedores de acesso, repassando o que fosse coletado aos artistas e gravadoras, que deixariam então de obter seus lucros da venda direta aos consumidores, ficando atrelados à este novo modelo. Se o governo cobrasse uma taxa por conta própria e repassasse ele próprio os valores, os especialistas dizem, seria ainda melhor. Modelos como esse, segundo li, podem ser aplicados em diversos países, inclusive o Brasil.

Continue reading “Licença para Trocar”

Para pensarmos

How many observe Christ’s birthday!
How few, his precepts!
O! ’tis easier to keep holidays than commandments.

Quantos se lembram do nascimento de Cristo!
Quão poucos, de seus ensinamentos!
O! É mais fácil lembrar-se dos feriados do que dos mandamentos.

— Benjamin Franklin

Fazendo 6 meses!

Gargalhadas com 6 meses!

Logo depois do aniversário da minha mamãe, completei seis meses de idade! Uma das maiores novidades que aconteceram depois de eu chegar a esta idade é que agora meu titio pediatra disse pra mamãe que agora eu posso comer de tudo, menos gelatina, queijo, peixe e clara de ovo.

Tudo bem. Enquanto isso eu vou comendo o resto das coisas, que são, por sinal, muito gostosas. Uma das coisas que eu tenho, aliás, modéstia   parte, é um ótimo apetite. Mamãe vive dizendo isso, e eu gosto mesmo de apreciar uma bela de uma papinha, um suquinho refrescante ou uma vitamina de frutas!

[coolplayer width=”480″ height=”380″ autoplay=”0″ loop=”0″ charset=”utf-8″ download=”0″ mediatype=””] Comendo papinha!
[/coolplayer]

Neste vídeo, por exemplo, estou saboreando uma bananinha amassada!! Hmmmmmm…! Alguém está servido??

Aniversário da Mamãe!

Com a mamãe!

Hoje é dia do aniversário da minha mamãe e como eu não podia deixar passar tirei esta foto com ela para marcar esse momento tão especial. Mamãe sei que você me ama muito e posso te contar um segredo? Eu também te amo muiiiiiiiiittttttttoooooo. E quero que saiba que você ocupa um lugar especial no meu coraçãozinho, e sei que posso contar com você sempre a qualquer hora e em qualquer lugar. Beijos do seu filho que te ama muito.

Engatinhando!

Finalmente, conseguir engatinhar e agora já estou aprontando cada vez mais. Por que além de engatinhar estou dando impulsos cada vez maiores e mais fortes e rápidos deixando minha mamãe preocupada.

Como agora já aprendi a engatinhar descobri que isso me ajuda em uma das minhas atividades favoritas: se antes eu pegava tudo que estava ao meu alcance e colocava na boca, agora já posso alcançar coisas que estão longe de mim. E não vejo a hora de começar a andar para poder pegar ainda mais coisas e explorar as novidades.

Engatinhando!

Engatinhando! Engatinhando!

Tentando engatinhar!

Hoje a mamãe me flagrou tentando engatinhar. Ainda não estou fazendo isso perfeitamente, porquê primeiro estou tentando dominar a arte de sustentar o meu próprio corpinho de bebê. Ou seja, ainda tem horas em que eu tombo para os lados e não consigo me manter na posição correta.

Tentando engatinhar

Tentando engatinhar Tentando engatinhar

Mesmo assim, o que eu tenho a dizer pra vocês é que sou muito persistente. Assim sendo, logo logo eu garanto que vou estar conseguindo engatinhar certinho. Afinal, estou louco de vontade de dar os meus passeiozinhos por aí, e nada vai me impedir!

y.ah.oo!

Quem é que não conhece o del.icio.us, o site que se tornou febre entre muitos usuários da web, por ser, verdadeiramente, o primeiro a introduzir o conceito de social bookmarking, posteriormente copiado por dezenas de sites que começaram a pipocar na Internet? Com o serviço, rápido, objetivo e — o mais importante — gratuito, é possível acessar seus bookmarks (ou favoritos) de qualquer computador com acesso à grande rede. Acrescente a isso o fato de que você pode relacionar uma ou várias tags a cada um dos endereços que salva, compartilhando os seus endereços e os de milhares de usuários do mesmo serviço e pronto: Pesquisa instantânea na mão, você nunca mais perde um endereço de vista, e ainda consegue dicas de centenas de milhares de outros, que pode copiar.

Mas não é que o Yahoo arrematou a pequena start-up de Nova Iorque? Primeiro vi a notícia na Wired, dando conta de que a empresa de Sunnyvale, na Califórnia, tinha fechado o negócio, devorando o del.icio.us – por uma quantia, aliás, que, segundo o site, nem chegou a abalar os cofres da empresa, embora não se divulguem os números exatos e estes devam permanecer em segredo ad eternum. Depois, resolvi ir direto à fonte e descobri, no blog do del.icio.us, uma confirmação: Eles realmente fecharam o negócio.

Assim sendo, o del.icio.us agora é Yahoo. Mas uma coisa é certa: Sua base de 300 mil usuários, até o momento, poderá continuar contando com a mesma funcionalidade de sempre. A exemplo das aquisições anteriores da empresa — o Flickr e o Upcoming.org, site de planejamento de eventos —, nada se altera inicialmente.

Me surpreendi com o movimento do Yahoo. Mas não é de todo surpreendente, o fato, afinal. Num mundo em que competir com o Google, a Microsoft e outros gigantes é cada dia mais necessário, nada como um toque de sites sociais para acrescentar um tempero à coisa. Resta saber se, mantidas as funções vitais do del.icio.us, novidades virão. Mas acho que isso é óbvio, certo?

De olho no seu carro

Não é segredo pra absolutamente ninguém que, em época de baixa temporada, os hotéis no litoral cobram menos por suas diárias, devido à baixa procura. Da mesma forma, procure pensar — se você alguma vez já viajou de avião — se não pagou mais barato pela passagem fora da época de férias ou final de ano. É normal que, a exemplo dos hotéis que já mencionei, as companhias aéreas também adotem uma redução de tarifas em certas épocas do ano, tudo para buscar mais clientes.

Acredito que seria uma coisa extremamente interessante adotar um sistema similar para as rodovias onde há cobrança de pedágio. Assim, motoristas trafegando em horários de pico pagariam mais pelo uso da rodovia, enquanto que aqueles que trafegassem em horários como a madrugada pagariam muito menos, aliás, virtualmente nada. Não estava com essa idéia na cabeça, pelo menos não até ler um artigo hoje pela manhã, que remetia a uma idéia mais antiga do Departamento de Transportes Americano: O órgão tem financiado uma série de projetos-piloto que visam rastrear eletronicamente todos os veículos, tendo por base um sistema GPSÃ? que viria pré-instalado nos carros, e que retornaria sua posição aos satélites que o rastreassem, através de ondas de rádio.

O problema destes dispositivos de GPS — a base para cobrança diferenciada pela utilização das rodovias — é que eles têm sido projetados e utilizados nos pilotos sem levar em consideração a privacidade das pessoas. Alguns sistemas de GPS se comunicam o tempo todo com os satélites, enquanto outros armazenam dados para revisão futura — como caixas-pretas de aviões. Segundo li, ainda, no estado de Oregon, a posição do veículo é transmitida sempre que o motorista para em um posto de gasolina.

Eu adoro questões relacionadas à privacidade pessoal e tecnologia. Enquanto defendo plenamente iniciativas como a biometria, por exemplo, acho o cúmulo que um rastreamento de veículos deste porte possa ser usado, por exemplo, para que a polícia rastreie o carro de alguém 100% do tempo. Ou que advogados descubram maridos e esposas traídas pelo local onde o carro estava em determinado momento. Ou, ainda, que uma companhia de seguros cobre mais caro para consertar o carro de alguém que passou uma horinha a mais naquele barzinho da esquina.

O governo americano, no entanto, quer criar polêmica, pois pretende fazer com que o aparelho GPS tenha sensores que impeçam o veículo de funcionar caso ele seja desconectado do carro. Imaginem um defeito no aparelho fazendo com que o motor pare, logo em seguida. Seria o cúmulo. É certo que, de acordo com pesquisas realizadas nos EUA, menos de 7% da populaçãoÃ? se preocupa em ter as informações do veículo transmitidas o tempo todo. Mas mesmo assim, que tal uma solução menos invasiva? Sensores à beira das rodovias poderiam debitarÃ? valores diferenciados — dependendo do horário em que o motorista trafegasse por uma ou outra via — diretamente da conta-corrente das pessoas, sempre que detectassem a presença do carro, ainda assim mantendo a privacidade do motorista. Tal como num cartão bancário.

Anti-Vírus: A Bola da Vez

Parece, efetivamente, que eu nunca precisarei me preocupar em parar de escrever sobre o Google. Isso porquê, vira e mexe, a empresa resolve apostar em alguma novidade, fazendo usuários do mundo inteiro vibrarem, e seus concorrentes, por assim dizer, tremerem. Acabo de ler algumas notícias que dizem respeito à estréia de um anti-vírus para proteção das mensagens dos usuários do GMail. Aparentemente a novidade é apenas para a versão em inglês do serviço, já que eu ainda não notei qualquer diferença na interface em português.

Enquanto alguns outros serviços muito bons já oferecem este recurso há tempos, há pelo menos um motivo bem interessante para comentar a notícia: Justamente as empresas que vivem da fabricação de anti-vírus e o medo de que o Google resolva pular de sua plataforma web, não apenas verificando mensagens de e-mail, mas também qualquer outro arquivo, com uma solução desktop própria.

Há uma razão bem simples para que o Google, se assim o quisesse, voltasse suas atenções também para o mercado de anti-vírus: Trata-se de uma ferramenta indispensável para qualquer usuário moderno de computador. Em conjunto com um bom anti-spyware e um firewall — dois tipos de programa, aliás, que o Google, se realmente criasse um anti-vírus gratuito, poderia desenvolver logo em seguida — forma o kit básico essencial para navegação segura pela Internet. Não há usuário que eu conheça que não tenha instalado em sua máquina um programa para detecção de vírus.

Gigantes do ramo de proteção anti-vírus, como a Symantec, nunca se preocuparam — pelo menos acredito eu — com grupos de usuários baixando soluções gratuitas para proteção de suas máquinas: Embora o AVG e o Avast estejam há bastante tempo disponíveis, seu alcance não é grande. O primeiro deles é a solução que uso e recomendo para meus amigos, mas muitos deles, justamente, só souberam do programa por mim. Não há tanto alcance destas empresas dentro do mercado, portanto.

Mas o Google, lançar um anti-vírus? Seria o sacrilégio para tais empresas. Com o alcance de todas as demais ferramentas da empresa aumentando diariamente e numa exponencial, é de se imaginar que, se não dominar o mercado, uma solução de detecção de vírus da empresa pelo menos conquistará uma bela fatia do mercado. Com interfaces simples e funcionais, todos os outros programas lançados por eles até agora têm garantido utilização por boa parcela de usuários. Com um anti-vírus, acredito eu, não seria diferente.

Mas além de bater de frente com grandes empresas do ramo de segurança, o Google também teria que enfrentar uma de suas mais antigas arqui-rivais: A Microsoft, que, esta semana, anunciou o lançamento de um programa anti-vírus, ainda em fase beta, é verdade, igualmente interessada no mercado. Trata-se do Windows OneCare Live, ferramenta que visa, segundo apurei, ajudar principalmente usuários iniciantes a manterem seus computadores seguros, livres de vírus e ameaças. O problema com o OneCare Live é que este será gratuito por tempo limitado. A Microsoft, era de se esperar, planeja cobrar uma taxa de inscrição pra quem quiser usá-lo, no futuro. Mesmo a versão on-line do produto, chamada Windows Live Safety Center beta, deverá ser paga, pelo visto.

De qualquer forma, acredito que possamos esperar grandes novidades neste setor, vindo muito rapidamente. A grande questão que gostaria de dividir com vocês, no entanto, é outra: Você trocaria sua solução anti-vírus atual por uma que fosse desenvolvida pelo Google ou pela Microsoft?

Gollum, conheça a Wikipedia

A velha disputa entre navegadores web talvez nunca chegue a um fim. Seja o famigerado Internet ExplorerÃ? ou o cada vez mais utilizado Firefox, todos eles, passando pelo Opera, inclusive, possuem legiões de fãs, cada qual com argumentos mais convincentes do que o outro para arrebanhar novos seguidores para suas causas. Mas e se os navegadores não fossem apenas dedicados à Internet em geral, mas sim passassem a atender necessidades específicas?

É de uma necessidade específica queÃ? acaba de surgirÃ? um navegador — de nome peculiar, é verdade —, cuja principal finalidade, inicialmente, era ajudar a filha do programador alemão Harald Hanek, seuÃ? criador,Ã? a navegar por um dos sites mais populares do planeta: A Wikipedia.

Batizado por Haral de GollumÃ? (sim, como o personagem clássico de J.R.R. Tolkien), o navegador lembra as interfaces de cada um dos programas que citei acima, porém com uma diferença: Serve para que a pessoa, ao utilizá-lo, possa experimentar uma sensação visual agradável ao navegar pelo conteúdo do site. O navegador funciona em uma janela à parte e o desenvolvedor tem planos futuros para disponibilizar uma interface auto-executável, que poderá ser baixada diretamente de seu site.

O Gollum é mais um exemplo de tecnologia desenvolvida com AJAX, uma combinação de PHPÃ? e Javascript que se aproveita de requisições XMLHttp para trabalhar. Como pode ser adaptado à diversas aplicações, uma das coisas que imagino é que possa ser utilizado, na web, como um plugin para o WordPress. Talvez não leve muito tempo para que seja desenvolvido, afinal. Enquanto isso, resolvi contribuir com o projeto e fiz a tradução para o português brasileiro da interface do navegador. Confiram, vale à pena.

Primeira papinha de fruta!

DSC01889

Depois de experimentar alguns sucos, no dia 22 de novembro, mamãe me fez experimentar outra novidade: a papinha de fruta! E a escolhida foi a de pêra! Mas eca! Não gostei muito!

Depois mamãe percebeu, e no outro dia me deu a de maçã e pelo meu rostinho feliz, ela viu que eu amei a troca! Depois veio a de banana maçã! Hummmmmmmmm!!! Gostei muito também! Essas duas últimas são as minhas favoritas, empatadas! Pelo menos até o momento…
Qual será a próxima fruta que mamãe vai me dar?