Quanto é mesmo?

Que você vai a um supermercado e encontra nele os produtos mais baratos sempre nas prateleiras inferiores, longe dos olhos dos consumidores menos avisados, isso é a mais pura verdade, comprovada e sacramentada não só por mim, mas também por milhares de pessoas que fazem suas compras todos os dias. Mas, bem da verdade, ao menos uma coisa é possível de se perceber: os preços, sejam estes altos ou baixos, estão afixados aos produtos, ou então existem máquinas próximas onde se pode consultá-los através de um código de barras.

Este é o chamado direito do consumidor. Podemos e temos o direito de saber quanto estamos pagando por um produto, e temos isso garantido por lei. Com os serviços eu acredito que a mesma lei tenha que imperar. É por isso que eu assino embaixo do projeto de lei proposto pelo deputado federal Jorge Gomes, do PSB/PE, que obriga as operadoras a informarem seus valores de tarifa antes de cada ligação de longa distância.

A proposta diz que uma gravação deve apresentar uma mensagem do tipo “Prezado usuário, a ligação que você está prestes a efetuar lhe custará R$ 0,30 por minuto a partir do momento em que for completada”. Assim, cada um pode decidir se deseja pagar aquele valor ou não, e desligar o telefone quando for o caso. No meu entender, seria algo similar ao que já acontece quando recebemos uma chamada a cobrar: “Para aceitá-la, continue na linha após a identificação”. Eu, particularmente, não me importaria em ouvir uma mensagem dessas sempre que efetuasse uma chamada, ou então, pelo menos, uma vez a cada mudança de faixa de horários de tarifa. Mesmo que fossem ligações locais. Eu sei que é simples, hoje em dia, consultar os valores das tarifas de telefone, mas acho que é uma idéia em que se vale a pena acreditar. Vamos ver se irá adiante, não é mesmo?

The Quick Firefox…

jumped over the lazy dog.

Você utiliza conexão de banda-larga para navegar pela internet com o melhor browser do mundo? Que tal turbinar o Firefox e fazer com que as páginas carreguem ainda mais rápido, então?

1. Abra um novo tab, ou então, na janela onde você estiver, digite about:config na barra de endereços, apertando enter logo em seguida. Procure pelas seguintes entradas:

network.http.pipelining
network.http.proxy.pipelining
network.http.pipelining.maxrequests

Normalmente o Firefox fará apenas uma solicitação à uma página da web de cada vez. Quando se habilita o recurso de pipelining, ele poderá fazer diversas solicitações de uma única vez, o que aumentará a velocidade de carregamento das páginas.

2. Altere as linhas conforme indicado:

Configure network.http.pipelining em true. Um duplo clique do mouse resolve.

Configure network.http.proxy.pipelining em true.

Configure network.http.pipelining.maxrequests para um número qualquer, como, por exemplo, 30. Este será o número de solicitações que o Firefox fará de uma só vez.

3. Por último, clique com o botão direito do mouse em qualquer posição da janela e selecione New (Nova opção) -> Integer (Inteira). Dê a esta nova opção o nome de nglayout.initialpaint.delay e ajuste seu valor para 0. Este valor é a quantidade de tempo que o Firefox irá esperar antes de agir sobre qualquer informação que receber.

Eu fiz estas alterações, que encontrei na web, e apenas traduzi o tutorial, com a finalidade de divulgar esta dica e ajudar aqueles que não entendem muito bem o inglês. O resultado foi que eu realmente notei uma mudança na velocidade de carregamento das informações. É necessário, antes de comprovar, reiniciar o Firefox, fechando qualquer janela que estiver aberta. Bom proveito!

Sem Presentes!

Não é à toa que meus pais sempre me disseram, quando eu era menor, que eu devia me comportar direitinho se quisesse ganhar presentes no Natal. “Papai Noel só presenteia às crianças que têm bom coração, são educadas e fazem o bem”, me diziam eles, sempre com discursos bastante similares. E eu, é claro, sempre me comportei bem para que eu pudesse ganhar meus presentinhos. É uma troca muito justa, e ensina a todos os menores que eles devem tratar seus semelhantes com respeito, e não com falta de educação.

Um casal de pais em Pasadena deu o mesmo conselho a seus três filhos, um de 9, um de 11 e um de 15 anos de idade: Disseram-lhes que, se não se comportassem bem, ficariam sem presentes. Como toda criança normal, elas prometeram cooperar, mas logo começaram a agir como sempre: Mal-criações, palavrões e brigas entre os irmãos. O resultado? O pai resolveu colocar os presentes à venda no eBay, e desmontou a árvore de Natal mais cedo.

O presente de Natal das crianças, um video-game Nintendo DS com três jogos alcançou lances de cerca de US$ 465,00 no site de leilões, mas o pai retirou a oferta, pois queria no mínimo US$ 700 pelo conjunto. Disse no seu anúncio que, caso não obtivesse compradores, devolveria o produto à loja.

A mãe, por sua vez, parece que é só lágrimas desde o episódio. Ninguém quer que os filhos se comportem mal, é verdade, e parece que esse pai resolveu levar à sério suas ameaças. Enquanto isso, milhões de outras crianças boazinhas amanheceram curtindo seus brinquedos novos, tenho plena certeza.

A Aprendiz

Vivianne VenturaPouco menos de dois meses. Cinq¼enta dias, na verdade, separaram 16 candidatos de um emprego dos sonhos de qualquer empresário, com direito a um salário mensal de R$ 20 mil, por pelo menos um ano, para trabalhar em uma das empresas de Roberto Justus, um dos publicitários mais bem sucedidos do país. Ontem, no entanto, esta extensa entrevista de emprego, televisionada em todo o seu conteúdo pela Rede Record, chegou finalmente a seu fim.

Estou falando, obviamente, do reality show O Aprendiz, sobre o qual, inclusive, eu já havia comentado, antes de sua estréia no Brasil. Não gosto nem um pouco dos formatos de reality show que se apresentam por aí, é verdade, mas neste caso a coisa é bastante diferente. O Aprendiz mostra aquilo que muitas vezes é vivenciado dentro das grandes organizações e que eu, empregado de uma empresa de grande porte, posso testemunhar como verdadeiro. Talvez por isso, inclusive, muitos de meus colegas de trabalho tenham se tornado fãs do programa, que, após seu final, teve uma segunda temporada anunciada por Roberto Justus.

A vencedora da batalha pelo emprego, tendo deixado para trás outros 15 ótimos candidatos, foi Vivianne Ventura, cuja foto ilustra este post. Vivianne, que se tornou a aprendiz, é uma pessoa carismática, e que, durante todo o desenrolar da série, descobri ser capaz de envolver as pessoas com quem trabalha para buscar ótimos resultados, se preocupando de maneira geral com todo o planejamento macro das tarefas, mas também se apegando a detalhes mínimos, que com certeza foram responsáveis por seu sucesso.

O mais interessante é que eu, desde o primeiro episódio, me identifiquei com duas pessoas que achei que poderiam se tornar vencedoras do programa. Uma delas era justamente Vivianne, com quem até eu mesmo senti vontade de formar uma equipe. A outra pessoa era Toni, que acabou sendo eliminado durante o decorrer dos episódios. Vivianne, ontem, se mostrou muito feliz ao final do programa, que registrou média de audiência de 10 pontos diários, considerada um sucesso para os padrões da emissora: Além de ir trabalhar em uma das empresas do Grupo Newcomm, a Wunderman, Vivi ainda levou para casa um Classe A, da Mercedes Benz. A escolha de Vivianne, em minha opinião, não poderia ter sido mais acertada.

Os Incríveis

Os Incríveis

Neste final de semana resolvi assistir à Os Incríveis, o último lançamento da Pixar. Como eu costumo dizer, não há o que reclamar dos filmes do estúdio, que sempre me surpreenderam. Os Incríveis consegue ser bem divertido, contando a história de uma família de super-heróis tentando se adaptar à vida normal, de pessoas comuns, indo ao trabalho, criando seus filhos e sendo chamados à sala da diretoria por causa deles.

A vontade de assistir ao filme é relativamente antiga: Desde antes do lançamento oficial no Brasil já me divertia apenas com os trailers. Depois de assistir ao longa metragem, inclusive, descobri que alguns dos elementos são exclusivos: Não fazem parte do filme, apenas dos anúncios. Mas isso não representa um problema… As situações dos trailers e do filme são muito divertidas, e há várias em que eu me vi rindo como não ria há muito tempo. Com certeza esta é uma animação que eu recomendo a todos os que estiverem lendo este humilde blog. É garantia de divertimento para toda a família.

Mudança de Horizontes

Prédio GiratórioVários amigos meus se formaram em engenharia civil, e não houve, até agora, sinceramente, nenhum deles que se não se impressionasse com a notícia da construção de um prédio de 11 andares em Curitiba, o Suíte Vollard. O que pode haver de tão especial na construção de um prédio? Bem, se você gosta de mudar os horizontes de sua vida, então há uma coisa muito peculiar sobre a construção.

Acontece que esta verdadeira maravilha da engenharia — por isso, aliás, impressionando estes meus amigos engenheiros, mas também aqueles que, como eu, não escolheram a engenharia como profissão —, permite que cada um de seus andares, que possuem apenas um apartamento, gire independentemente para a esquerda ou para a direita. É isso mesmo: Cansou da vista de sua janela? Ative o comando de rotação por voz, sente-se e relaxe. Em cerca de uma hora o seu apartamento será capaz de completar uma rotação completa.

O único problema de contar com tal tecnologia, que, pelo que parece, é exclusiva no mundo inteiro, é, obviamente, o preço: Cada um dos 11 apartamentos do edifício, que levou 10 anos para ficar pronto, não sai por menos de US$ 300 mil. Vivo é quem tem dinheiro, não é mesmo? Eu, de minha parte, prefiro continuar indo à praia ou viajando para algum outro lugar, se precisar mudar de horizontes… é mais simples e mais barato.

Super Pringles

The Incredible Pringles!

Nunca foi novidade pra ninguém abrir um pacote de biscoitos e se deparar com figuras impressas nas bolachas: São casinhas, bichinhos, personagens de quadrinhos e por aí afora. Isso diverte as crianças, e como os desenhos são feitos com corantes próprios para alimentos, o sabor das guloseimas não se altera. Sendo assim tão simples imprimir o que se bem entende nas bolachas, não era de se achar estranho que logo logo uma fabricante internacional de alimentos aproveitasse a idéia.

O mercado americano está para ser inundado com as chamadas Pringles Prints: Nos mesmos formatos e embalagens de suas irmãs mais velhas — e custando o mesmo preço —, estas batatas podem trazer, impressas em sua superfície, desenhos e mensagens, impressos no sentido convencional ou de cabeça-para-baixo.

O interessante é que as Pringle Prints de estréia possuem impressas imagens do filme Os Incríveis, que foi patrocinado pela batatinha. O que falta inventarem agora?

Você quer colo, quer?

Lap PillowQuantas vezes você já pensou em recorrer ao colo da sua mãe para se confortar? Acredito eu que inúmeras vezes. A gente acaba fazendo muito isso quando é criança, porquê poucas coisas são mais reconfortantes do que a sensação de estar no colo da mãe.

Quando crescemos, ficamos muito grandes para o colo, mas ainda assim, mais hora, menos hora, sempre acabamos nos encostando lá… Pelo menos a nossa cabeça. Nem sempre é mais o colo da mãe, mas às vezes da namorada, da noiva, da esposa… E é claro, isso vale também para as meninas, que se reconfortam nos colos dos pais, dos namorados, e por aí afora.

Onde é que eu quero chegar, vocês devem estar se perguntando. Bom, na verdade, tudo isso o que eu disse tem a ver com a mais nova invenção japonesa: Com a promessa de ser um verdadeiro sucesso de vendas para o Natal, eles inventaram o primeiro travesseiro do mundo que imita o colo de uma mulher.

O kit travesseiro é feito de espuma, e chega a ser tão bem feito que vem inclusive com uma mini-saia. O preço da peça é que é um pouco assustador, chegando a cerca de 90 dólares. Projetado para alcançar o público mais jovem, a novidade está atraindo também muitos marmanjos. Mas afinal de contas, quem é que não gosta de colo, não é mesmo? 🙂

Papais Noéis Suspeitos

Tinha que ser coisa que acontecesse no Brasil mesmo, a prisão de dois papais-noéis que estavam entregando presentes no Rio de Janeiro. Que mal pode haver em entregar presentes, não é mesmo? Afinal de contas, estamos muito próximos do Natal!

Mas estes dois se julgavam muito espertos: A polícia carioca descobriu que, ao invés de levarem presentes para as crianças, os dois estavam mesmo transportando drogas disfarçadamente, para vendê-las em uma favela…

Fala sério. Pior que isso, só mesmo o texto do post, no geral… Acabei me sentindo o apresentador do Cidade Alerta, agora. Cruzes!

à Pilha

Nem nos mais insanos livros de ficção científica de que se tem notícia eu já ouvi falar de uma situação dessas: Você se levanta, como faz todas as manhãs, toma o seu banho, toma o seu café, troca de roupa para ir ao trabalho e saca de seu bolso, junto com as chaves de casa, um par de pilhas AA, novinhas. Afinal de contas, é apenas disso que você precisa para pôr em funcionamento seu carro.

Estamos devaneando? Acredito que não. Pelo menos se o carro em questão for o novo lançamento da Panasonic. Sim, sim… Desde quando a Panasonic fabrica carros, Daniel? Mas não, eu não estou passando trotes em ninguém: A empresa realmente se aventurou a lançar um carro, que mede 3 metros de comprimento e é super leve, com apenas 18,5kg. Batizou seu invento de Oxyride.


Oxyride

Pode ser que no futuro vejamos vários destes carrinhos pelas ruas, pode ser que não. Apesar de ser um carro que viria a calhar na questão de economia de combustível, já que pilhas são infinitamente mais baratas do que a gasolina, dois fatores pesam contra a pequena maravilha da empresa japonesa, além, é claro, do tamanho avantajado. Além de levar apenas uma pessoa a bordo, sua autonomia não é nada interessante: O veículo consegue rodar apenas 1,23km, isso se levar uma pessoa de 50kg. Pra mim, mesmo que fosse apenas para comprar jornal na esquina, já não daria pé… Mas quem sabe a idéia não evolui?

De Olho na Etiqueta

Quando eu saio às compras, sou um cara decidido. Quero dizer, quando eu estou querendo mesmo adquirir um produto novo, seja para uso pessoal, seja para uso em casa, resolvo pesquisar. Bem, talvez nem tanto eu, por mim mesmo, mas sim pela influência da minha esposa. De qualquer forma, o nosso lema é bater perna e chegar sempre ao melhor acordo, ou ao melhor negócio possível para a nossa situação.

No nosso caso isso vale tanto para produtos que compramos pessoalmente, indo às lojas, quanto para aquilo que compramos on-line. Sites como BondFaro ou Buscapé fazem parte do nosso roteiro convencional de pesquisas, e nada melhor do que isso justamente nessa época do ano, quando os preços vão às alturas.

De acordo com uma notícia que li há pouco, as diferenças entre preços nas lojas on-line ultrapassa os 100% em alguns casos. Como eu disse antes, pesquisar é fundamental. Não é de pesquisar on-line que eu reclamo — porquê é muito mais fácil fazer isso através dos sites que eu já citei. O problema é o ato de buscar o melhor valor no corpo-a-corpo: Com as ruas cheias do jeito que estão é muito complicado — e tira toda a minha paciência — procurar por alguma coisa, ainda mais se não for um gênero de primeira necessidade. Exceto por alguns presentes, prefiro esperar o Natal passar para, aí sim, procurar a melhor oferta.

Crime

“Porquê é que toda esta gente está me olhando?” — pensei eu, cercado de olhares enviesados, que vinham de todos os lados possíveis. Me sentia meio acuado, sem saída, e o número de olhares pouco amistosos aumentava à medida em que eu tentava me esquivar deles.

“Não pode ser simplesmente porquê eu…” — outro pensamento me veio à cabeça, interrompido repentinamente por um novo par de olhos cravados em minha direção: Tratava-se de uma gorda senhora, com uma camisa laranja-vivo, cuja forma de me fulminar à distância até o momento ganhava de qualquer outra pessoa.

Eu sabia que provavelmente essas pessoas todas faziam o mesmo julgamento da minha pessoa: Culpado. Sem direito à apelação, uma espécie de crime inafiançável, de acordo com a interpretação que eles estavam dando ao caso. “Calma, pessoal. Eu sou réu primário, trata-se da primeira vez que eu cometo tal delito!”, procurava raciocinar. Mas quem é que eu queria enganar?

Não era a primeira vez. Começou cedo, a minha trajetória de crimes. Sempre o mesmo tipo de crime, sempre a mesma maneira de agir, chegando sorrateiramente e atacando desprevenidos casais, jovens, velhos, acompanhados ou sozinhos: Acho que a culpa desses meus crimes remonta inclusive à minha infância: Já cometia estas infrações acompanhado de meus pais, nem me lembro a partir de quantos anos de idade.

Continuar lendo

Leilão Fantasma

O que fazer quando seu filho lhe diz que tem medo de fantasmas? Mais especificamente do fantasma do avô dele, que faleceu no ano passado na mesma casa onde seu filho mora? A solução para um problema deste tipo pode variar de pai para pai, de mãe para mãe, mas Mary Anderson, uma americana de Indiana, com certeza apelou para algo no mínimo inusitado.

Mary anunciou o leilão do fantasma de seu pai no site de leilões eBay. Apesar de parecer uma brincadeira — aliás, como acontece com muitos dos itens leiloados por lá — a preocupada mãe de Collin, o garoto de seis anos que não vai mais sozinho a nenhum canto da casa com medo do fantasma, já conseguiu cerca de 34 lances por seu artigo.

Para que a pessoa que ganhe o leilão possa efetivamente receber alguma coisa, Mary colocou à venda também a bengala de seu pai, feita de metal. Em seu anúncio de leilão, ela faz um pedido ao ganhador: Que escreva uma carta para seu filho, dizendo que recebeu o fantasma, e que está se dando muito bem com ele.

Estresse a Caminho

Preso em um engarrafamento num dia quente de verão, um homem decide abandonar seu carro no local e seguir para a casa de sua ex-esposa a pé. Porém, no decorrer do trajeto ele é gradualmente envolvido pela violência das ruas de Los Angeles.

Um dia de fúriaA sinopse acima é de um filme já muito exibido pela Rede Globo, de 1993. Trata-se de Um Dia de Fúria, filme com Michael Douglas em que um engarrafamento acaba servindo como estopim para que ele passe por uma série de situações estressantes.

Acabo de ver uma notícia da BBC Brasil que confirma que situações como esta, em que o estresse pode ser gerado por um engarrafamento, podem ser mais corriqueiras do que se pensa: As pessoas que vão para o trabalho utilizando qualquer meio de transporte — sejam seus próprios carros, o metrô, um trem ou um ônibus — estão sujeitas aos mesmos níveis de stress pelos quais passam os pilotos de caças da força aérea.

A pesquisa, realizada na Inglaterra, concluiu que muito do estresse pelo qual os trabalhadores passam tem a ver com a sensação de incapacidade que sentem em controlar as situações ao seu redor: Por exemplo, eu mesmo, sempre que venho trabalhar de carro, e me vejo preso em um engarrafamento, sinto que meu estresse aumenta. Se o engarrafamento acontece na ida ao trabalho, fico inquieto porquê quero chegar logo ao trabalho e adiantar minhas coisas; por outro lado, se o engarrafamento surge na volta, me altero porquê quero chegar logo em casa, pois estou cansado. Apenas não consigo — assim como ninguém consegue — controlar o trânsito, não é verdade? Mas é uma sensação aumentada justamente porquê estou ao volante.

Se a situação for a mesma e eu estiver no ônibus da empresa, a coisa muda de figura. Continuo querendo chegar logo ao trabalho, ou voltar logo pra casa: Mas como não sou o responsável pela situação, isto é, o motorista do ônibus, então posso me dar ao luxo de relaxar: Apenas recosto minha cabeça na poltrona do ônibus e fecho meus olhos: Sempre dá tempo pra um cochilozinho anti-estresse, afinal de contas.