em Etc

Atônito

É só o que eu posso dizer para descrever como fiquei, assim que li uma nota da Agência Estado, onde noticiava-se que uma garota de 13 anos era responsável por comandar um prostíbulo na Bahia. A menor, identificada como L., disse que, se fecharem seu prostíbulo, abrirá um outro, porquê gosta do que faz. Ela comandava um grupo de mais 12 meninas, com idades entre 11 e 16 anos.

Entre os clientes das meninas, podiam-se achar empresários, caminhoneiros, e até mesmo policiais. Cada programa saía por um preço que podia variar entre R$ 20 e R$ 100. Com tanta coisa ruim que se vê na TV, ainda nos deparamos com notícias como esta, que, apesar de desviar-se um pouco do rumo rotineiro das demais, que tratam quase que 100% do tempo sobre violência e criminalidade, nos choca por apresentar o que é a situação em que a sociedade brasileira se encontra. Uma pouca vergonha. As famílias de baixa renda, desamparadas pelo governo, acabam tendo suas estruturas – já tão fragilizadas, ainda mais destruídas. E o pior: Hoje, ou amanhã, casos como esse tendem a ser esquecidos.

Quando é que as coisas nesse país vão mudar? Isso me revolta.